Rádio Observador

Commerzbank

“Portugal está a mostrar qual é o caminho”, diz banco alemão Commerzbank

469

O banco alemão tece grandes elogios às reformas feitas em Portugal, o país "que mais melhorou a qualidade enquanto local para fazer negócios, entre os países da 'periferia', desde 2009".

O banco alemão tece grandes elogios às reformas feitas em Portugal.

AFP/Getty Images

O Commerzbank afirma que “enquanto França e Alemanha sofrem uma letargia ao nível das reformas, países como Portugal estão a mostrar qual é caminho”. Numa análise ao relatório “Doing Business” do Banco Mundial, o banco alemão diz que Portugal é o país “que mais melhorou a qualidade enquanto local para fazer negócios, entre os países da ‘periferia’, desde 2009”.

Em nota de análise enviada aos investidores clientes do banco alemão, a que o Observador teve acesso, o economista Marco Wagner teve grandes elogios aos “progressos particularmente rápidos em termos de abrir uma empresa e lidar com autorizações de construção”. Esse fator, diz o economista, terá contribuído para que Portugal tenha subido para o terço superior no “ranking” dos melhores locais para a atividade empresarial.

FullSizeRender (3)“Menos passos processuais, aprovações mais rápidas e custos mais baixos estão a tornar mais fácil para os empresários abrir um negócio e obter autorizações de construção”, escreve o Commerzbank. “Passou a ser possível abrir uma empresa em apenas três passos processuais e nuns impressionantes dois dias e meio”, diz o Commerzbank, salientando que este é “um tempo recorde entre os países da União Europeia”.

Por outro lado, “o registo de propriedades tornou-se menos burocrático e mais barato”, assinala Marco Wagner. “Leva menos tempo preencher declarações fiscais e a carga fiscal é um pouco mais baixa”, nota o economista.

Nota, ainda, para a vantagem de que “podem importar-se ou exportar-se bens um ou dois dias mais rapidamente”. E “ainda que os custos de carga para as exportações através de contentores tenham subido em quase 100 dólares norte-americanos, para 780 dólares, este custo ainda é mais baixo do que na maioria dos outros países europeus”.

O banco alemão remata dizendo que “estas condições devem ajudar a aumentar o investimento e a recuperação económica deverá continuar, com taxas de crescimento de 1,5% em 2015 e quase 2% em 2016”.

Portugal fica bem no quadro geral na Europa, diz o Commerzbank. O banco alemão elogia também os “bons progressos” feitos em Espanha e salienta que a Irlanda “continua na liderança” e continua a ser “um local muito atrativo para a atividade empresarial”. Já Itália e Grécia “continuam a ser locais pouco atrativos apesar das reformas realizadas”. França também teve algumas melhorias, mas “as reformas têm sido demasiado fracas” e a Alemanha “está a cortar o ramo da árvore em que está sentada”.

Esta não é a primeira vez este ano que o Commerzbank tece grandes elogios a Portugal. Em nota divulgada em janeiro, citada pelo Jornal de Negócios, o banco alemão dizia que Portugal era “o milagre económico da Península Ibérica”. “A economia portuguesa tem crescido de forma notável desde a primavera e o mercado de trabalho conseguiu dar a volta”, dizia o banco em janeiro, acrescentando que “a recuperação deverá continuar, suportada pela melhor competitividade e a atividade mais robusta nos mercados de exportação”.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)