“Estava à espera de um bocadinho melhor. Achava que o quinto [lugar] era possível, mas tivemos muitos problemas com a coluna de direção, que bloqueia, e cometi dois ou três erros pequenos que me custaram algumas décimas”, começou por dizer o português, ao salientar que o mesmo problema já o afetou durante a temporada.

Tiago Monteiro confessou ser “bastante frustrante” o problema mecânico e lembrou que numa pista como Macau, onde os muros estão sempre muito perto, é mais problemático. “A direção bloqueia completamente e é impossível controlar o carro durante uns milésimos de segundo e por isso o carro foge”, acrescentou Monteiro, destacando ter sido esta a única contrariedade, porque “o equilíbrio do carro estava bom” e pensou que “não seria tão grave”.

O piloto já tinha alertado para a melhoria dos adversários nas sessões livres e de qualificação previstas para hoje, mas estava à espera de melhor. “Estava à espera que o quinto lugar fosse possível. Não estou longe, mas são duas posições a menos”, disse. Para domingo, Tiago Monteiro quer resolver o problema até porque, lembrou, é “perigoso”. “Não estava nada satisfeito com isto. Temos de resolver, estivemos o fim de semana a tentar arranjar isto e não será fácil encontrar um milagre, vamos ver”, concluiu.

Nos primeiros três lugares da grelha saem os três Citroen conduzidos pelo já campeão Jose Maria Lopez, seguido por Sebastian Loeb e Yvan Muller, estes dois pilotos a poderem ainda terminar o campeonato no segundo lugar, com Muller a partir com a vantagem de 30 pontos. Depois, no quarto posto, vai largar Norbert Michelisz, em Honda, seguido por Tom Coronel, em Chevrolet, antes de Gabriele Tarquini e Tiago Monteiro, com Honda oficial.

Na última etapa do WTCC, Tiago Monteiro (174 pontos) pode ainda ser ultrapassado por Norbert Michelisz (169 pontos), Gabriele Tarquini (167 pontos), Tom Coronel (148 pontos) e Tom Chilton (144 pontos).

A última jornada é disputada no domingo (madrugada em Lisboa) em duas corridas de 10 voltas, com um intervalo de 15 minutos.