Madruga da Costa, de 74 anos, natural da Horta, ilha do Faial, foi presidente do Governo Regional dos Açores na sequência da demissão de Mota Amaral, entre finais de 1995 e 1996.

Militante do PSD, foi deputado à Assembleia Regional dos Açores e secretário regional dos Transportes e Turismo no primeiro e no segundo governo regional, tendo ocupado ainda por duas vezes a presidência do parlamento açoriano, entre 1978 e 1979 e entre 1991 e 1995.

Alberto Romão Madruga da Costa morreu de madrugada no Hospital de Ponta Delgada, onde estava internado.