Bundesbank

Banco central alemão: “Governos vão interromper reformas se o BCE comprar dívida”

O banco central alemão volta à carga. Se o BCE vier a comprar dívida dos países, como Mario Draghi admitiu na segunda-feira no Parlamento Europeu, os governos vão voltar a endividar-se.

Jens Weidmann, à direita de Wolfgang Schäuble, é o governador do banco central alemão

Getty Images

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, indicou na segunda-feira, de forma explícita, que a compra de dívida pública no mercado pode ser uma forma de estimular a concessão de crédito e combater a inflação baixa na zona euro. Minutos depois de o italiano falar, perante os deputados do Parlamento Europeu, o banco central alemão (Bundesbank) voltou a lançar o alerta de que essa medida poderá criar um “risco moral” e que contribuirá para que os governos se endividem mais e interrompam as reformas estruturais.

“A compra de dívida pública implica um risco moral adicional significativo, além de ser questionável do ponto de vista legal”, afirmou Jens Weidmann, presidente do Bundesbank e um dos membros do conselho de governadores do BCE. Numa conversa com o jornal Handelsblatt, colocada no “site” oficial do banco central alemão, o responsável acrescentou que “se os governos souberem que o eurosistema irá colocar um teto máximo nas taxas de juro [ao estar presente no mercado para comprar a dívida], eles poderão sentir-se encorajados para aumentar o endividamento”.

E o pior, diz Weidmann, é que “os governos deixarão de poder ser responsabilizados pelas suas políticas orçamentais e económicas erradas”. “A crise do euro mostrou bem o que acontece quando o princípio da responsabilidade individual nacional é violado ao longo de um período de tempo alargado“, atirou Jens Weidmann.

Jens Weidmann notou, ainda, que é “compreensível” que o Conselho de Governadores esteja a discutir mais medidas de estímulo, já que a taxa de inflação está muito abaixo do objetivo de 2%. Mas recomendou “alguma calma”, já que a inflação baixa é um resultado da descida dos preços da energia e do “processo de ajustamento necessário”.

Estes dois fatores já foram identificados por Mario Draghi como causas da inflação baixa que a zona euro vive. Ainda assim, o presidente do BCE reiterou na segunda-feira que o banco central continua pronto para tomar mais medidas não convencionais, que “podem incluir a compra de uma variedade de ativos, entre os quais dívida pública”.

Países não devem pedir à Alemanha para investir mais

O presidente do banco central alemão refutou, também, as críticas lançadas frequentemente à Alemanha, instando a maior economia da zona euro a investir mais e, assim, estimular a procura interna na economia da união monetária.

“Não temos na zona euro uma política orçamental unificada, nem há vontade entre os Estados-membros para abdicar de quaisquer poderes orçamentais”, afirmou Jens Weidmann. É por isso que “os apelos a que a Alemanha aumente o investimento para ajudar os seus parceiros não é mais do que um apelo para uma política orçamental comum”, alertou.

Além disso, “um aumento do investimento na Alemanha faria pouco para ajudar os países da periferia” da zona euro, defendeu Jens Weidmann.

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)