O Jornal de Angola voltou hoje a criticar Portugal num editorial que refere que “fazer carreira política” naquele país envolve “dizer mal” do Presidente, José Eduardo dos Santos, dos políticos e dos empresários angolanos.

Num extenso editorial intitulado de “Uma atitude desleal“, e que já no final é explicado com alegadas referências na comunicação social portuguesa ao envolvimento de cidadãos angolanos no caso dos vistos “gold”, o jornal estatal recorda que os empresários nacionais “investiram milhares de milhões de euros em Portugal nos últimos seis anos”.

“Primeiro, por causa dos afetos, depois pelos negócios. E o investimento em Angola tem uma vertente: ajudar um país irmão a debelar a crise e superar as dificuldades económicas e financeiras em que está mergulhado. Noutro sentido, milhares de portugueses procuram também trabalho em Angola. Todos são bem-vindos, embora alguns se comportem como ocupantes”, lê-se.

Recorda que os angolanos “investiram em todos os setores da economia portuguesa”, que os empresários portugueses “fizeram o mesmo em Angola” e que “ninguém se queixou do ambiente de negócios, das facilidades institucionais, das parcerias constituídas”.

“Se alguma coisa corre mal, os problemas resolvem-se nas sedes próprias e nunca na comunicação social angolana”, observa. Contudo, referindo-se diretamente a políticos – como João Soares e Francisco Louçã -, ou jornalistas – ao casal José Eduardo Moniz (apelidado de “consultor de telenovelas”) e Manuela Moura Guedes -, o Jornal de Angola aborda o peso das críticas portuguesas.

“A situação é de tal forma anómala que até fica a ideia de que quem quiser fazer carreira política em Portugal tem que dizer mal do Presidente de Angola, dos políticos angolanos que fazem parte do partido [MPLA] que venceu as eleições com maioria qualificada, dos nossos empresários, mesmo dos que investem elevadas somas para ajudar Portugal a sair da crise”, acrescenta.

Para o Jornal de Angola, em Portugal “chegam ao cúmulo de levantar suspeitas sobre a origem do dinheiro dos angolanos”, mas “ninguém quer saber da origem do dinheiro” de investidores de outras nacionalidades.

“É uma pura e seletiva perseguição aos interesses angolanos”, lê-se, assumindo o jornal que “se há dúvidas quanto à origem das suas fortunas [angolanos], as autoridades competentes que investiguem” e depois “tirem as suas conclusões”.

“Mas é inadmissível que todo o cão e gato em Portugal ponham em causa a origem do dinheiro dos empresários angolanos que investem naquele país. É inadmissível que levantem suspeitas sobre investidores angolanos no caso dos vistos ‘gold’ e, uma vez conhecida a lista dos que investiram em troca desse visto, não está lá nenhum angolano”, afirma o diário estatal.

Assume por isso que “os portugueses têm que decidir de uma vez por todas se querem ou não os angolanos como parceiros” e que se Portugal “quer desenvolver a cooperação com Angola, não pode depois haver perseguição a cidadãos angolanos que dão o seu melhor para que os acordos de cooperação em vigor tenham sucesso”.

“Atirar com nomes de angolanos para as páginas dos jornais ou dos meios audiovisuais como estando envolvidos em atos ilícitos é uma deslealdade que começa a cansar”, avisa o diário.

O editorial remata recordando que a empresária Isabel dos Santos, ao entrar na corrida à compra da Portugal Telecom, “foi logo nomeada como a ‘filha do Presidente de Angola'”. “Uma atitude deselegante e desrespeitosa que não pode ser admitida. Os outros interessados não têm pai nem mãe. São apenas investidores”, observa, ao mesmo tempo que elogia os empresários portugueses Belmiro de Azevedo, Américo Amorim Alexandre dos Santos.

Recordando que o ministro do Interior de Angola, Ângelo Veiga, denunciou na segunda-feira “estrangeiros e partidos políticos angolanos como autores de manobras de destabilização” no país, o jornal diz esperar que a recente visita do presidente da UNITA, Isaías Samakuva, a Lisboa e outros capitais europeias “não tenha sido o princípio da conspiração”. “Na vida há limites para tudo, até para a deslealdade”, remata.