Porto Editora

Já escolheu a palavra do ano? É hora de xurdir

209

Banco, basqueiro, cibervadiagem, corrupção, ébola, gamificação, jihadismo, legionela, selfie e xurdir. São estas as dez finalistas anunciadas esta segunda-feira pela Porto Editora.

Inacio Rosa/LUSA

Autor
  • Hugo Tavares da Silva

A escolha da palavra do ano, iniciativa da Porto Editora, é um belo exercício para tirar a pinta a 2014. As palavras finalistas traçam um retrato do que se teve durante 12 meses, mas também mostra tendências e termos que suscitaram a curiosidade dos portugueses. “Que frenesim vai na bancada do Partido Socialista, que basqueiro, como se diz no norte”, disse Pires de Lima no início de novembro, no Parlamento, quando desafiou António Costa a ceder à “tentação” de aumentar “taxas e taxinhas” na área do Turismo. Basqueiro é precisamente uma das dez palavras candidatas a palavra do ano. Significa ruído e não é nada ofensivo. “Gerou muita curiosidade entre as pessoas. Antes até se dizia ‘vasqueiro’, mas mudou”, explicou uma fonte da Porto Editora ao Observador.

As dez palavras candidatas: banco, basqueiro, cibervadiagem, corrupção, ébola, gamificação, jihadismo, legionela, selfie e xurdir

A Porto Editora permitiu aos portugueses que sugerissem palavras e expressões até 30 de novembro. O prazo acabou e as palavras já são conhecidas. Curiosidades? O jihadismo foi colocado em cima da mesa pelo Estado Islâmico. A presença na lista de Ébola e legionela comprova a importância, e a devastação, que os dois surtos, em escalas diferentes, provocaram. A lengalenga segue para a selfie, um sinal dos tempos modernos e do culto da individualidade na sociedade. Não deixa de ser curioso ver as palavras banco e corrupção na mesma lista, um diagnóstico que assombrou e assombra os portugueses.

E xurdir? “É uma palavra transmontana. Significa lutar pela vida, mourejar”, revelou a mesma fonte. E também aqui um sinal dos tempos, aqueles de dificuldades financeiras que convidam a remexer em palavras cheias de pó. Já gamificação traduz-se no recurso a técnicas características de videojogos para resolver problemas práticos ou consciencializar ou motivar um público específico para um determinado assunto, seja na educação e saúde, seja na política.

A cibervadiagem diz respeito à “utilização de plataformas digitais, como as redes sociais, com fins lúdicos durante o exercício de funções profissionais”, algo que “é cada vez mais frequente e é um fenómeno que começa a ser objeto de análise jurídica”, conforme pode ler-se no site da infopédia.

Convencido? Tem até às 23h59 do último dia do ano para votar e escolher a sucessora de “bombeiro”, a special one de 2013, provavelmente em jeito de homenagem àqueles que arriscam a vida e combate fogos todos os verões. Antes, as palavras vencedoras, numa iniciativa que arrancou em 2009, foram esmiuçar, vuvuzela, austeridade e entroikado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)