O presidente do Governo da Madeira, o social-democrata Alberto João Jardim, disse esta terça-feira não acreditar que as eleições no PSD regional, marcadas para sexta-feira, se resolvam à primeira volta.

“Estou convencido de que não vai ser fácil à primeira volta. São muitos candidatos [seis], de maneira que estou convencido de que vai dar uma segunda volta”, afirmou Alberto João Jardim, no decurso de uma visita a obras de requalificação em três miradouros e áreas reflorestadas nas serras do concelho de Câmara de Lobos.

O presidente do Governo Regional e líder do PSD/Madeira disse ainda notar que os madeirenses estão cada vez mais angustiados e preocupados com o futuro, mas salientou ser preciso “ter calma” porque “o mundo não acaba”.

“O PSD é um partido responsável. Uma vez encontrado o líder, acabou o forrobodó. A não ser que o líder não meta o partido na ordem”, declarou Alberto João Jardim no Montado do Paredão, onde foram requalificados dois miradouros: um com vista para a cidade do Funchal, outro com vista para o Curral das Freiras, em Câmara de Lobos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Antes, o chefe do executivo madeirense tinha estado no miradouro da Eira do Serrado, também com vista sobre o Curral das Freiras e um dos mais visitados por turistas, onde foi criada uma rampa que permite o acesso a pessoas em cadeira de rodas.

A área envolvente aos três miradouros, que à hora da visita estava envolvida em nevoeiro, foi alvo de ações de reflorestação, onde foram plantadas cerca de 40 mil árvores, tendo o Governo Regional investido no total 630 mil euros.

O secretário regional do Ambiente e Recursos Naturais, Manuel António Correia, destacou que se trata de uma intervenção transversal, envolvendo o ambiente, o lazer e a qualidade de vida.

“É um trabalho que eu considero estrutural, a pensar no futuro, nas futuras gerações da região”, disse Manuel António Correia, explicando que o governo adquiriu dois mil hectares na zona de modo desenvolver trabalhos de reflorestação, criar novas acessibilidades e reforçar a oferta turística.

“O Funchal é sobretudo visto pela sua frente mar. Eu diria que estamos a criar também uma frente serra”, salientou.