The Interview

Sony: Hackers ameaçam ataque terrorista aos cinemas que exibam “The Interview”

O grupo de hackers que atacou o sistema informático da Sony Pictures ameaçou agora encetar um ataque com consequências semelhantes às do 11 de Setembro. Cinemas que exibam "The Interview" em risco.

A estreia do filme está prevista para 25 de dezembro

AFP/Getty Images

Os Guardians of Peace, o grupo de hackers que atacou o sistema informático da Sony Pictures e que roubou centenas de terabytes de informação confidencial, subiu o tom da ameaça ao estúdio cinematográfico e ameaçou realizar um ataque com consequências semelhantes às do 11 de Setembro, como represália à estreia do filme “The Interview”.

“Em breve, o mundo vai ver o que o filme terrível da Sony Pictures Entertainment provocou. O mundo vai encher-se de medo. Lembrem-se do 11 de Setembro”, pode ler-se num email do grupo, que está a ser citado por vários órgãos de comunicação social norte-americanos.

“The Interview” conta a história de Dave Skylark (James Franco) e Aaron Rapaport (Seth Rogen), dois jornalistas que são recrutados pela CIA para assassinarem o líder norte-coreano Kim Jong-un. O guião do novo título da Sony enfureceu Pyongyang, que advertiu para uma “retaliação impiedosa” contra o que classificou de “ato irresponsável de terror”.

Quando o ataque informático ao estúdio responsável pelo filme aconteceu, especulou-se se não seria este o início da retaliação, mas a diplomacia norte-coreana rejeitou qualquer ligação com o grupo de piratas informáticos, algo que as autoridades norte-americanas corroboraram.

Ainda assim, os Guardians of Peace parecem estar dispostos a impedir que o filme seja reproduzido nas salas de cinema dos Estados Unidos. As palavras dos piratas informáticos podem ser lidas como uma ameaça clara às pessoas que se dirijam às salas de cinema norte-americanas.

Nós vamos mostrar-vos a qualquer momento e em todos os lugares onde “The Interview” seja reproduzido, incluindo na estreia, como o destino pode ser amargo para aqueles que procuram diversão através do terror”, escreveram os hackers. 

A estreia oficial do filme em todo o país é a 25 de dezembro, ou pelo menos são esses os planos da Sony, que está neste momento a enfrentar dificuldades para convencer as grandes distribuidoras de filmes a exibirem o título.

Exemplo disso foi o cancelamento da exibição prevista para o dia 18 de dezembro, em Nova Iorque: a Landmark Theatres, face às recentes ameaças, decidiu cancelar a reprodução do filme com medo que as ameaças dos Guardians of Peaces se concretizassem. Ao que tudo indica, a Carmike Cinemas Inc., a quarta maior distribuidora de filmes do país, também não deverá exibir “The Interview”, de acordo com uma fonte próxima da empresa, citada pela Bloomberg.

O próprio estúdio norte-americano depositou nas várias distribuidoras a decisão de exibirem, ou não, o filme. Ainda assim, a Sony Pictures já garantiu que vai avançar com o lançamento do filme protagonizado por James Franco e Seth Rogen.

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, em declarações à CNN, desvalorizou a ameaça, garantindo que, até ao momento, “não há indícios que sustentem a credibilidade das ameaças”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)