Medicamentos

Quota de medicamentos genéricos aquém das metas estabelecidas pela troika

Quota de genéricos deverá ficar-se pelos 46,3% este ano, abaixo dos 60% estabelecidos no memorando. De acordo com o Infarmed este ano os portugueses consumiram mais remédios e pagaram menos.

O aumento do consumo de genéricos tem permitido aos portugueses pouparem na farmácia

© Hugo Amaral/Observador

A quota de genéricos continua a crescer, mas ainda assim continua abaixo das metas traçadas no memorando de entendimento da troika, assinado em 2011. Este ano, a quota de medicamentos genéricos deverá ficar-se pelos 46,3%, de acordo com o balanço publicado pelo Infarmed na terça-feira, bastante aquém dos 60% definidos para o mercado do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

De acordo com o Infarmed, o consumo destes medicamentos permitiu uma poupança potencial de 112 milhões de euros, entre janeiro e setembro deste ano, “estimando-se que atinja os 150 milhões de euros até ao final do ano, mantendo-se a tendência de crescimento da quota”.

O aumento da utilização de genéricos – uma política que tem sido seguida nos últimos anos – contribuiu de resto para a diminuição da fatura da farmácia. Em 2014 os portugueses compraram mais 1,5% de medicamentos do que em 2013 – cerca de dois milhões de embalagens – mas gastaram menos sete milhões do que em 2013, devendo fixar-se a despesa nos 696 milhões no final do ano, prevê a Autoridade do Medicamento. Já os encargos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no mercado de ambulatório, incluindo subsistemas de saúde (ADSE, SAD e ADM), mantêm-se em linha com os do ano passado – 1.160,6 milhões de euros.

O esforço da redução da despesa com medicamentos vendidos em farmácia, bem como com os remédios utilizados em meio hospitalar, vai continuar, uma vez que o Governo ainda luta para reduzir a despesa global até ao valor acordado com a troika. De lembrar que este ano o Governo estabeleceu um acordo com a Associação da Indústria Farmacêutica, que prevê uma poupança de 160 milhões de euros com fármacos. E no passado mês de novembro, Paulo Macedo assinou novo acordo com a Apifarma, onde se garante uma redução da fatura na ordem dos 135 milhões de euros, sendo o restante assegurado pelos diversos laboratórios que, se não aceitarem este acordo, vão ter de pagar uma taxa sobre a venda de produtos farmacêuticos.

Em 2014 aumentou o acesso à inovação terapêutica

Outro dos indicadores avançados pelo Infarmed, nesta nota de balanço, tem que ver com o investimento e o acesso à inovação terapêutica. De acordo com esta autoridade 2014 “terá sido o melhor ano de sempre na aprovação de medicamentos inovadores, seja em novas substâncias ativas, seja em novas indicações para substâncias já existentes”.

Em 2014, até à data, foram aprovadas 22 substâncias ativas para utilização em meio hospitalar, representando um aumento de 215% face a 2013, e 22 substâncias ativas na área da comparticipação. No período compreendido entre janeiro e setembro de 2014, a inovação já representava para o Serviço Nacional de Saúde um investimento de 142 milhões de euros, valor acima dos 119 milhões gastos em todo o ano de 2013.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
100

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)