“O objetivo deste congresso, que reúne alguns dos principais protagonistas do futebol português, europeu e mundial, é, além da comemoração do centenário da FPF, o de promover a discussão sobre as questões mais importantes com que a nossa modalidade se confronta”, referiu Fernando Gomes, em declarações à agência Lusa.

O presidente da FPF realçou que a presença de figuras no congresso, a realizar entre terça e quinta-feira, no Centro de Congressos do Estoril, como “Michel Platini, Pierluigi Collina, Emilio Butragueño, Gérard Houllier, David Gill, Ricardo Monteiro ou, entre muitos outros, Gianni Infantino, vai permitir que se discutam, de uma forma aberta e clarificadora, assuntos tão importantes como os modelos de governação das entidades que regem o futebol, os modelos de competições, a arbitragem, a deteção e promoção de talentos, os métodos de trabalho das seleções ou as relações do futebol com a publicidade, a medicina, a economia ou a integração social”.

“Estamos confiantes que as ‘Football Talks’ serão um excelente ponto de partida para a tomada de decisões no sentido de garantir mais e melhor futebol a uma escala planetária”, salientou.

A predominância de nomes estrangeiros nos painéis em discussão visa discutir “com toda a abertura, clareza, inteligência e ‘know-how’, assuntos que dizem respeito tanto ao futebol nacional como internacional”, não numa lógica de seguir exemplos, mas “sim de conhecer, discutir e analisar todas as questões relevantes relativas ao futebol com alguns dos principais protagonistas, decisores e analistas do nosso setor”.

“No entanto, não deixam de estar presentes dois portugueses no painel de oradores, o Ricardo Monteiro, presidente da maior agência de publicidade do mundo, ou o Luís Silva, diretor do Estádio Maracanã durante a final do Mundial, cuja presença ao lado de alguns dos maiores responsáveis do futebol mundial nos orgulha muito. Este é o congresso sobre futebol com o melhor painel de oradores jamais organizado em Portugal, independentemente da nacionalidade dos intervenientes”, destacou.

Na quarta-feira, a meio dos trabalhos das ‘Football Talks’, a FPF vai promover a gala Quinas de Ouro, cujos prémios “visam homenagear e celebrar as contribuições individuais e coletivas de um século de história”, segundo Fernando Gomes, acrescentando que estes galardões vão passar a ser “atribuídos anualmente doravante”.

“Achamos que é justo e merecido que os maiores nomes do nosso futebol sejam destacados e premiados publicamente pelos seus feitos. Queremos que sejam um fator agregador e nunca um fator divisivo da família do futebol. Por outro lado, nunca houve nem há rivalidade alguma entre os jogadores candidatos ao prémio de Jogador do Centenário. Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo sempre demonstraram grande espírito de equipa e de liderança. Foram os jogadores internacionalmente mais reconhecidos nos cem anos de história do futebol português e, qualquer que tenha sido o sentido de voto, haverá sempre lugar na história para todos eles”, frisou.

Fernando Gomes enalteceu ainda “muitos outros nomeados e não só, exemplos de grandes futebolistas para o país e para todo o mundo”, justificando que a lista de jogadores nomeados para os prémios “foi elaborada obedecendo a critérios objetivos e estatísticos simples, que estão disponíveis para consulta”.

“Mas é evidente que qualquer lista que se fizesse dificilmente seria unânime porque o futebol é também uma paixão e, como tal, implica fatores de preferência e escolha que variam de adepto para adepto”, rematou.