Eleições

Juntos Podemos, a corrida começa agora

150

Quer fazer a diferença porque a "democracia tal como está não serve". Mas recusa alianças políticas. Ainda não sabe se quer ser um partido, mas pelo sim pelo não arrancou com a corrida às assinaturas.

Movimento Juntos Podemos ainda não tem a figura de líder, mas Joana Amaral Dias é o nome mais mediático

JOSE SENA GOULAO/LUSA

Não é um partido político mas pode vir a ser a tempo das legislativas de outubro. O Juntos Podemos, de Joana Amaral Dias, Carlos Antunes, Nuno Ramos de Almeida e outros nomes ligados às manifestações do 15 de setembro e da geração à rasca, vai beber aos ensinamentos do Podemos espanhol, que já lidera as sondagens no país vizinho, e não esconde que quer seguir-lhe as pisadas. Mas para isso, precisa de se consagrar um partido junto do Tribunal Constitucional. A recolha de assinaturas começou esta segunda-feira.

“Sabemos que não estamos a inventar a pólvora”, afirma ao Observador a psicóloga e fundadora do movimento Joana Amaral Dias, sublinhando que não “tem vergonha de dizer que o Juntos Podemos é aluno” do homónimo espanhol, ainda que não se trate de franchising. “O que temos é vergonha de dizer que somos o bom aluno da Europa, não o bom aluno do Podemos”, acrescenta.

O Podemos, partido que surgiu no espetro político espanhol apenas em maio de 2014, a tempo de concorrer às eleições europeias (onde conseguiu eleger cinco eurodeputados), é de resto o espelho daquilo que este movimento cívico encabeçado por Joana Amaral Dias pretende ser. Diz que não se posiciona nem à esquerda nem à direita, uma vez que os valores republicanos que diz defender – o aprofundamento da democracia, a escolha de um novo modelo económico e o combate à corrupção corrupção – são transversais à sociedade.

Saltou para o palco político como possível concorrente às legislativas pouco depois de o jovem partido Livre, de Rui Tavares, se ter aliado a movimentos de esquerda como a Fórum Manifesto, de Ana Drago, ou o 3D, de Daniel Oliveira (formando a candidatura Tempo de Avançar), mas diz que não correm no mesmo espaço político. “Se surgem mais partidos é porque os que existem não são suficientes”, resume Joana Amaral Dias. Mas ainda é cedo para falar em partido e para dizer que o Juntos Podemos vai estar na corrida eleitoral em outubro.

“Não sabemos se queremos concorrer a eleições, mas também não sabemos se não queremos, por isso a ideia é deixar aberta a possibilidade”, afirma a psicóloga e ex-bloquista Joana Amaral Dias ao Observador, explicando em que pé ficou o Juntos Podemos depois da primeira assembleia cidadã, realizada em meados de dezembro. Como a lei eleitoral apenas permite que concorram partidos políticos – e não movimentos cívicos – reconhecidos no Tribunal Constitucional (TC), o Juntos Podemos quis manter-se na corrida. Mas para isso precisa de 7.500 assinaturas e de uma apreciação favorável por parte do TC.

A etapa seguinte, apurou o Observador, que decorrerá em paralelo com o processo de recolha de assinaturas, é a construção das propostas eleitorais. Para isso, os promotores do movimento têm agendadas várias assembleias regionais, a começar no dia 24 deste mês no Porto, e que deverão culminar numa outra assembleia nacional onde serão condensados os vários contributos na construção de um programa político.

Mas primeiro, as assinaturas e o reforço da base social de apoio, dizem. 3,2,1, a corrida começa agora.

Do consenso social para o consenso político

Uma das dúvidas que rodeia o movimento, no entanto, é saber que espaço quer ocupar o Juntos Podemos, num quadro político em que, a par dos tradicionais partidos de oposição (Bloco e PCP), têm vindo a surgir outros movimentos com um discurso vincadamente anti-regime (como o Partido Democrático Republicano, de Marinho e Pinto). A verdade é que pelo menos uma coisa parecem ter em comum: a base de apoio assente num eleitorado tendencialmente abstencionista, que, segundo Nuno Ramos de Almeida, jornalista e membro ativo do movimento, está “cansado” da política de rotatividade ao centro e que perdeu a “confiança” nos governantes das últimas décadas.

O que rege o Juntos Podemos, de acordo com o jornalista e também ex-dirigente bloquista, é a ideia de que o “consenso social que já existe na sociedade portuguesa” seja traduzido em “consenso político”. Ou seja, que a ideia generalizada que reina na sociedade portuguesa contra a corrupção, a austeridade e a “promiscuidade” entre o poder político e económico se reflita num consenso em torno de uma alternativa política, explica.

A democracia tal como está não serve”, explica Ramos de Almeida ao Observador, acrescentando que o movimento pretende apostar em recursos democráticos como os referendos diretos, a possibilidade de o povo revogar cargos de nomeação política ou a possibilidade de escolher um novo modelo económico para o país, para que as pessoas sejam efetivamente consultadas sobre os seus destinos.

Uma postura que, dizem os fundadores do Podemos, não é visível nos partidos já existentes. Para os promotores do movimento contactados pelo Observador, continua a haver um espaço vazio na política portuguesa que precisa de ser preenchido. “O Bloco de Esquerda e o PCP não têm conseguido estancar as atuais políticas e não é previsível que o venham a conseguir nas próximas eleições”, explica fonte do movimento ao Observador, acreditando que a população não vê nestes partidos “possíveis alternativas de poder”. Em parte porque o discurso destes partidos tende a ser mais radical em alguns pontos, o que impede a conquista de eleitorado novo: “Por isso é que o Juntos Podemos se pronuncia sobe muito poucas coisas, para concentrarmos a nossa energia no essencial”, diz.

Livre vs. Juntos Podemos, uma questão de alianças

O Livre, que já assumiu publicamente a abertura a uma coligação com o PS para virar um futuro governo à esquerda, também não é solução, dizem. Independentemente daquilo que o Juntos Podemos vai ou não ser, e das dúvidas que ainda persistem, há pelo menos uma certeza: a rejeição de alianças e coligações pré ou pós-eleitoriais. “Rejeitamos a alternância e a transformação de lobos em cordeiros”, atira Nuno Ramos de Almeida, criticando o objetivo político de ir para o governo “a qualquer custo”.

Apesar de já estar afastada do Bloco de Esquerda desde 2006, Joana Amaral Dias desvinculou-se formalmente do BE em maio de 2014 em desacordo com a postura anti-alianças. “A questão da política de alianças é fundamental para o partido e também para o momento político que o país atravessa”, disse na altura a atual promotora do Podemos português, que chegou a participar numa das convenções socialistas ‘Novo Rumo’, ainda no tempo de António José Seguro. Agora, no entanto, é precisamente esse o ponto que a afasta de outros movimentos e partidos que, à primeira vista, pareciam semelhantes, como o Livre e a Fórum Manifesto.

“As alianças políticas são um tema tão pouco interessante para nós, que nem foi discutido na assembleia cidadã [de 13 e 14 de dezembro]”, afirmou a psicóloga ao Observador, chutando desta forma para canto a questão sensível da possibilidade de, caso chegue a constituir-se partido, vir a juntar-se a outras forças para ter mais impacto nas urnas.

Por agora, o caminho do Juntos Podemos faz-se através de petições, de ações de despejo e outras lutas em torno de problemas concretos, e de audiências junto da população. No limite, o objetivo seria governar com políticas diferentes das atuais. Mas o caminho, a ser percorrido, não se adivinha fácil para a turma de Joana. “Temos a humildade de saber que não temos a varinha de condão e puff tudo se altera”, sublinha a psicóloga.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)