Carlos Cruz

Armando Vara pode ser o próximo a perder condecoração

171

O ex-ministro-Adjunto de Guterres pode vir a ser irradiado da Ordem do Infante D. Henrique se, depois de esgotados todos os recursos, a condenação a cinco anos de prisão efetiva se mantiver.

Armando Vara foi condenado a cinco anos de prisão efetiva no âmbito do processo Face Oculta

PAULO NOVAIS/LUSA

Depois de Carlos Cruz e Jorge Ritto, Armando Vara poderá ser o próximo a ser expulso da Ordem do Infante D. Henrique. O antigo ministro-adjunto de António Guterres e ex-vice-presidente do BCP foi condecorado em 2005 pelo então Presidente da República Jorge Sampaio, mas a condenação a cinco anos de prisão efetiva no âmbito do processo Face Oculta pode valer-lhe a irradiação. Apenas um cenário pode alterar esse desfecho: a absolvição de Armando Vara nas instâncias superiores.

A alínea g) do artigo 45.º da lei das Ordens Honoríficas Portuguesas é clara nesse sentido: “[Cabe ao conselho] efetivar a irradiação automática dos membros das Ordens que (…) por sentença judicial transitada em julgado, tenham sido condenados pela prática de crime doloso punido com pena de prisão superior a 3 anos”. Ou seja, a manter-se a condenação, depois de esgotados todos os recursos, Armando Vara perderá automaticamente a condecoração, tal como aconteceu ao antigo apresentador de televisão e ao embaixador.

Manuela Ferreira Leite, então questionada pelo Diário de Notícias sobre as irradiações de Carlos Cruz e Jorge Ritto -ambos condenados na sequência do processo Casa Pia -, sublinhou o caráter “automático” do procedimento, mesmo tratando-se de uma decisão inédita. “Sempre que o conselho tem conhecimento de situações, abre o processo, que é quase administrativo”, explicou a ex-ministra das Finanças.

Assim, e caso se mantenha a condenação de Armando Vara, que já garantiu que ia interpor recurso, o ex-ministro de Guterres vai mesmo perder a Grã-Cruz da Ordem Infante D. Henrique.

Carlos Cruz vai impugnar irradiação da Ordem

A defesa de Carlos Cruz, por sua vez, já anunciou que ia impugnar a decisão do conselho presidido por Manuela Ferreira Leite. Esta quarta-feira, em declarações ao Diário de Notícias, Ricardo Sá Fernandes, representante do antigo apresentador de televisão, descreveu a medida como “injusta” e “inconstitucional”.

Vamos impugnar a decisão através dos tribunais porque se trata de algo injusto e inconstitucional. (…) A condenação de Carlos Cruz (…) nada tem que ver com a condecoração, que é anterior. Por isso, classifico a decisão de lhe retirar a condecoração como prepotente”, assegurou Ricardo Sá Fernandes.

Em causa, está a aplicação da já referida alínea g) do artigo 45º da lei das Ordens Honoríficas Portuguesas – a defesa de Carlos Cruz classifica-a de inconstitucional e contrapõe como nº 4 do artigo 30.º da Constituição portuguesa, que diz: “Nenhuma pena envolve como efeito necessário a perda de quaisquer direitos civis, profissionais ou políticos”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)