Uma nova esperança para milhões de crianças em todo o mundo. A farmacêutica Drugmaker Merck & Co. autorizou a produção e a venda de genéricos criados a partir do raltegravir – um fármaco que ajuda a combater o vírus do HIV. Os novos medicamentos, destinados a crianças, serão vendidos a preços muito mais baratos em países mais pobres, por norma, aqueles que são mais atingidos pela doença.

O Raltegravir/Isentress é um dos poucos medicamentos que pode ser aplicado em crianças a partir das quatro semanas de idade  – a maioria destina-se a crianças acima dos três anos, explica a Associated Press. É esta particularidade do medicamento que pode ser decisiva para salvar a vida de milhões de crianças. “Sem terapia antiretroviral, 50% das crianças que vivem com HIV/SIDA vão morrer aos dois anos e 80% aos cinco”, sublinhou Deborah Birx, coordenadora do programa governamental norte-americano contra a SIDA.

Com este acordo, no entanto, as farmacêuticas estão autorizadas a criar uma versão genérica e low-cost do fármaco, com a condição de que o medicamento seja vendido apenas em 92 países carenciados, como explicou a Medicines Patent Pool, uma organização com sede na Suíça e apoiada pela ONU.

O preço do medicamento é praticamente incomportável para o bolso da maioria dos doentes. Nos Estados Unidos por exemplo, o fármaco custa 1.350 dólares (cerca de 1.831 euros) por mês para os pacientes que não tenham seguro de saúde. Agora, o objetivo da organização passa por tornar possível a venda dos fármacos a um preço entre 47% e 87% abaixo do que o Raltegravir/Isentress atualmente custa.

Ainda segundo a Medicines Patent Pool, 98% das crianças infetadas com o vírus do HIV vive na Índia, na África do Sul e noutros países sub-desenvolvidos ou em desenvolvimentos. Um dos principais motivos para que isto aconteça prende-se com a falta de assistência dada às mães: não só não são testadas para despistar quaisquer sinais do vírus, como não lhes são dados medicamentos que ajudem a impedir a transmissão do vírus paras as crianças.