O CaixaBank, maior acionista do BPI, diz que oferta pública de aquisição (OPA) é “justa” e vai manter-se apesar da reação negativa do conselho de administração do banco, que ontem recusou a proposta. O banco catalão afirma ainda que o plano traz benefícios tanto para o BPI como para os seus acionistas, de acordo com um comunicado divulgado esta manhã e citado pela agência Bloomberg.

A oferta mantém-se assim nos 1,329 euros por cada ação do banco de Fernando Ulrich. É esta a resposta do CaixaBank à posição manifestada na quinta-feira pelo conselho de administração, que rejeitou a proposta dizendo que não refletia o verdadeiro valor do banco. O conselho de administração preferia um valor de 2,26 euros, ou seja, cerca de 70% superior ao número avançado pelo acionista.

O CaixaBank, que detém 44 por cento do BPI, ofereceu no mês passado 1.1 mil milhões de euros para adquirir a totalidade do banco. Uma oferta que entrou em colisão com a angolana Isabel dos Santos, que propôs uma fusão entre o BPI e o BCE. No comunicado, os catalães alegam que “no atual contexto não se pode avaliar uma eventual fusão entre o BPI e o BCP” uma vez que os “termos da transação ainda não foram revelados”.

grafico