O comandante da NATO na Europa, Philip Breedlove, defendeu, este domingo, que o Ocidente deve considerar “todos os seus instrumentos”, incluindo o envio de armas defensivas, para ajudar a Ucrânia no conflito com a Rússia.

“Considero que nós, no Ocidente, deveríamos considerar todos os nossos instrumentos em resposta”, disse o general Philip Breedlove no Fórum de Bruxelas, organizado pela German Marshall Fund, acrescentando que a Rússia tem usado instrumentos diplomáticos, de informação, militares e económicos contra a Ucrânia.

O general admitiu que armar a Ucrânia poderia levar a mais “desestabilização” no leste do país, mas ressalvou que “a inação também” pode causar esse efeito.

O comandante supremo da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte, NATO na sigla em inglês) na Europa disse ainda, durante o debate, que a NATO sabe que os russos “movem” as suas armas, mas “não sabemos se eles saíram do campo de batalha”.

“Nós não sabemos se [as armas] foram movidas fora do campo de batalha, mas sabemos que se estão movendo. Continuamos a ver elementos perturbadores em termos de defesa aérea, comando e controle, reabastecimento, equipamentos”, disse.

“Portanto, existem dúvidas” sobre se os acordos de Minsk estão a ser cumpridos ou não, disse o comandante da NATO, baseando-se em informação da Aliança Atlântica.