O presidente cessante do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, votou este domingo de manhã no Funchal para as legislativas regionais, afirmando que deixa o cargo sem “grandes recordações” do PSD e com “saudade das coisas boas”.

Alberto João Jardim esteve cerca das 10h30 na secção de voto F, na Escola Francisco Franco, onde disse aos jornalistas que, ao não fazer parte de uma candidatura, se vota “com um ar muito menos pesado, muito menos preocupado”.

“É o final de toda a minha intervenção na vida política como militante partidário, embora não leve grandes recordações do PSD, principalmente por causa do PSD de Lisboa”, afirmou, sublinhando, tal como tinha já feito na sexta-feira, que o processo de marcação de eleições antecipadas tem a sua “marca”. “A gente sente sempre saudades das coisas boas e sente um alívio por deixar as coisas más”, acrescentou.

Sobre o novo ciclo político de que tinha também já falado, depois dos seus quase 40 anos à frente do Governo Regional, o social-democrata afirmou não querer fazer vaticínios para os próximos quatro anos: “Vamos lá ver como é que eles correm. Se correrem bem, dentro de uma linha de reforço da autonomia e fora das amarras coloniais, obviamente terá todo o meu apoio”.

A afluência dos eleitores às urnas nas eleições legislativas regionais da Madeira era de 17,21% às 12h00, de acordo com a secretaria-geral do Ministério da Administração Interna (MAI).

Nas eleições de 2011, a taxa de participação era de 23,47% à mesma hora.