Cidades

Um novo tipo de ioga, no meio da agitação da cidade

É difícil imaginar contorções no meio da rua, com a calçada como tapete. Ou uma mente concentrada e serena numa avenida em hora de ponta. Mas é possível, e o projeto The Urban Yoga comprova-o.

Autor
  • Raquel Salgueira Póvoas

Em vãos de escadas, em campos de futebol, entre portas, dentro de carrinhas ou debaixo de pontes. Estes são apenas alguns dos elementos e cenários que fazem parte das cidades que Anja Humljan escolhe, originalmente, como locais adequados para a prática de ioga.

Equilibrar corpo e mente e seguir o tom harmonioso que a atividade requer num destes ambientes, aparentemente não é fácil. No projeto The Urban Yoga, Anja Humljan, a professora desta modalidade que também é arquiteta e bailarina, mostra o contrário. Como? Desafiando pessoas por todo o mundo a entregar o corpo aos sentidos que provêm das suas cidades para que, desta forma, compreendam que o meio urbano pode ser uma fonte de equilíbrio e não de desassossego.

Os conhecimentos adquiridos enquanto arquiteta e a agilidade provenientes do ioga e da dança, sustentam uma necessidade identificada pela mentora do projeto: garantir que outros profissionais desenhem espaços e estruturas que “não sejam apenas impressionantes a nível visual e tecnológico, mas que sejam projetados também com o ser humano em mente”. Isto porque, como continua a reforçar na página de Facebook do The Urban Yoga, “a arquitetura tem, assim como o ioga, a capacidade de estruturar a nossa compreensão do mundo e de articular o espaço ilimitado, indo além dos limites de nossa pele. (…) O que nós tocamos, cheiramos, degustamos e escutamos, é o que define, na maioria das vezes, se nos vamos sentir bem ou mal em determinado ambiente.”

As posturas que Anja Humljan vai desenvolvendo em ruas como as de Nova Iorque, Madrid, Paris ou Ljubljana, são fotografadas e dadas a conhecer ao mundo nas redes sociais Facebook, Instagram Twitter, no site do projeto e no livro que publicou.

As possibilidades de experimentar esta relação positiva entre cidades agitadas e mentes tranquilas são diversas. Mostramos-lhe algumas na galeria de imagens no topo do artigo.

Se quiser experimentar por si, espreite o programa que o Observador desenvolveu com Filipa Veiga, dedicado aos exercícios do Ashtanga Ioga, também ao ar livre.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cidades

Trotinetes absurdetes /premium

Laurinda Alves
1.255

Não quero morrer nem matar por causa de uma estúpida trotinete, estupidamente a circular na estrada, mas sei que fatalmente algum desastre vai acontecer dada a multiplicação irrestrita destes veículos

Taxistas

Táxi? Não, carro com motorista /premium

Helena Garrido
135

Que serviços presta hoje um táxi ou a Uber? Com as escolhas que existem nas cidades, na era da economia da partilha, os taxistas que não o perceberem estão condenados. Nenhum governo os pode salvar.

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)