Uma maqueta ferroviária com 140 metros de perímetro (correspondente a 12 quilómetros) vai ser uma das atrações do 24.º Encontro Ibérico de Módulos Maquetren, que se realiza de sexta-feira a domingo em Santarém.

A maqueta, montada na Casa do Campino, onde vai decorrer o encontro que reúne meia centena de amantes do modelismo ferroviário, reúne 158 módulos (82 portugueses e 76 espanhóis), vários deles representando estações, apeadeiros e mesmo paisagens reais e outras fruto da imaginação dos autores.

“Em alguns módulos poderão ser observadas manobras de inversão, ultrapassagem ou cruzamento de comboios, bem como manobras de carga e descarga de contentores numa zona portuária”, disse à Lusa Ricardo Santos, organizador do encontro.

Segundo Ricardo Santos, os módulos que os fãs da modalidade constroem respeitam normas que permitem que se articulem entre si, construindo uma maqueta gigante.

Os “show case” (caixas fechadas com “uma representação fiel da realidade”) “Luzianes” e “Ribeira do Alentejo”, da autoria de David Nobre, e uma locomotiva elétrica que pode ser tripulada são outros motivos de interesse, disse.

O evento, que tem por objetivo “dar a conhecer um pouco mais o mundo dos comboios em miniatura e o que é o modelismo ferroviário”, começou em Espanha, realizando-se uma média de dois encontros por ano, geralmente por iniciativa de um dos participantes.

As edições anteriores em Portugal realizaram-se em Lisboa (2003), Entroncamento (2006 e 2008) e Torres Vedras (2011), disse.

“Maquetren” é o nome da revista mensal especializada em modelismo ferroviário e na história dos caminhos de ferro em Espanha e em Portugal, que é editada desde 1991.

O termo designa a construção de maquetas por módulos que encaixam uns nos outros graças à utilização de elementos comuns, formando entre todos uma grande maqueta.

Iniciada em meados dos anos 1960 nos Estados Unidos, o êxito da iniciativa levou modelistas europeus a desenharem os seus próprios módulos, tendo-se tornado frequentes os encontros e exposições de maquetes modulares.

Em 1994, a “Maquetren” elaborou uma normativa própria, baseada na experiência de outros países mas adaptada à cultura ibérica, permitindo que os modelistas (muitos deles ferroviários e ex-ferroviários) construam módulos de tamanhos diferentes mas com elementos estandardizados, o que permite que em cada encontro as maquetas sejam diferentes, consoante o número de participantes e a montagem feita.