Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 2014, 551 pessoas morreram nas estradas, vítimas de acidentes de viação. Destes, 270 estavam ao volante, sendo que perto de 40% (105) conduziam sob o efeito de álcool, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Medicina Legal, citados pela edição deste sábado do Jornal de Notícias.

De entre os condutores sob o efeito de álcool, mais de metade revelou uma taxa igual ou superior a 1,20 g/l, considerada crime. A esses, somaram-se ainda 12 com taxa ilegal (acima de 0,5 g/l). É ainda de notar o grande número de pessoas com mais de 50 anos alcoolizadas.

“Apesar de ainda haver uma percentagem anormalmente elevada de condutores vítimas mortais sob o efeito de álcool, as estatísticas têm mostrado uma redução relativamente a anos anteriores, Mas ainda há um longo caminho a percorrer”, afirmou ao jornal o presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa. “Os mais jovens bebem menos vezes, mas fazem-no até cair, e nessas alturas nem sempre pegam num carro. Os mais velhos bebem em menor quantidade, mas mais frequentemente”, explicou José Miguel Trigoso.

Segundo indica o Jornal de Notícias, entre as vítimas de acidentes de viação encontram-se 59 pessoas (das quais, 25 condutores) que estavam sob o efeito de drogas, com destaque para a canábis. Há ainda 107 peões entre as vítimas mortais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR