Rádio Observador

Fast Food

Anda cansado? A culpa pode ser da fast food

A chamada comida rápida engorda e faz mal à saúde, até aí não é novidade para ninguém. Mas até que ponto poderá prejudicar o seu organismo e chegar a fazê-lo sentir-se cansado e doente?

Getty Images

Autor
  • Carolina Santos

A fast food tem o dom de melhorar substancialmente uma ressaca, fazer com que pessoas em dieta quebrem todas as regras ou simplesmente servir de consolo. Mas, mesmo assim, não deixa de gozar de péssima reputação.

Sendo verdade que não é a única comida com gordura à face da terra, não deixa de ser menos verdade que, no que toca à qualidade dessa gordura, o caso muda de figura. O salmão contém mais gordura e mais calorias do que um cheeseburguer, por exemplo, a diferença é que ao comer uma posta deste peixe estará a ingerir nutrientes que lhe fazem bem, como ómega 3, vitamina D e potássio.

Quanto mais ligado à natureza um alimento estiver, mais saudável será, e há poucas coisas tão afastadas da natureza quanto a fast food. E porque aquilo que comemos desempenha um papel muito importante no nosso bem-estar diário, veja as quatro razões que explicam porque é que a fast food pode deixá-lo doente e cansado, segundo uma lista elencada pela Fox News.

1. Tem um elevado teor de açúcar

O açúcar está presente em toda a comida fast food, mesmo que não dê por ele. E se é evidente que comer demasiado açúcar pode levar ao aparecimento de diabetes e à obesidade, convém sublinhar que o tipo de açúcar que a fast food e outros alimentos processados contém é frutose, que é metabolizada pelo fígado e transformada em gordura, à semelhança do álcool.

2. Tem demasiados ingredientes que não são considerados comida de verdade

Este tipo de comida está recheado de químicos, sejam produtos para mudar a textura, conservantes ou sabores e cores artificiais. Apesar de ser legal utilizá-los, nenhum deles é comida, logo não têm qualquer benefício nutricional. Apesar de dotarem os alimentos de um aspeto irresistível, alguns relatórios relacionam estes químicos com o aparecimento de cancro.

3. Está feita para que coma em demasia

O triângulo composto pelo açúcar, o sal e a gordura aciona centros de prazer no nosso cérebro, e cada dentada dada num hambúrguer proporciona uma sensação de “recompensa”, o que explica que as pessoas não consigam parar de o comer assim que começam. As companhias de fast food são conhecidas por apostar neste fator sem escrúpulos.

4. É rica em carboidratos simples

Os carboidratos simples, presentes nos pães utilizados pelas cadeias de fast food, transformam-se rapidamente em açúcar, causando um pico de açúcar no sangue e aumentando os níveis de insulina. O mesmo não acontece com os pães com grãos integrais, uma vez que são digeridos mais lentamente e fornecem uma energia sustentada. Quando come carboidratos simples a sua energia vai aumentar muito rapidamente, mas passadas poucas horas vai quebrar e vai apetecer-lhe ingerir carboidratos novamente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)