Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

No trabalho, num casamento, num campeonato de karaoke. Todas as pessoas, até as que dizem ser avessas ao romantismo, gostam de uma boa história de amor e não resistem a saber como um casal se conheceu. Talvez por acreditarem que, eventualmente, lhes vai acontecer o mesmo.

Foi a pensar nisso que, há cerca de duas semanas, Brooklyn Sherman, de 27 anos, criou uma conta de Instagram intitulada “The Way We Met” — em português, “como nos conhecemos” –, que conta como começaram várias histórias de amor. A norte-americana pediu a casais felizes que contassem como se conheceram e até à data já partilhou mais de 40 finais felizes, numa conta que já ultrapassa os 90 mil seguidores.

View this post on Instagram

"We met in high school. I'm a year older than him but we both played on the soccer team. One day his toe fell off. No literally, mid-soccer game he broke his big toe and it was hanging on by a thin piece of skin. He was cringing and screaming. Stuff like that doesn't bother me so I sat by his side until his family came and took him to the hospital. For the next 4 years we were best friends. Last year, I got into a horrible car accident and became paralyzed from the waist down. I was in the hospital for 7 months and he drove 6 hours every weekend to sit next to me and hold my hand as I slept. That was it. I loved him, and I think he always loved me too. The minute I was out of the hospital he officially asked me to be his girlfriend, wheelchair and all. It's been a year now, and I know I found my soulmate."

A post shared by the way we met (@thewaywemet) on

Ao Good Morning America, Brooklyn disse que “as pessoas amam falar sobre amor”, acrescentando que “estas histórias dão esperança a quem não está numa relação, de que vai encontrar alguém”. Este Instagram romântico mostra ainda que o amor pode ser encontrado em vários lugares e todos os dias, com histórias que não estão confinados a um tempo ou local específicos.

Se anda é descrente no amor ou se adora um bom final feliz, pode ser que esta história com uma relação de 58 anos lhe abra o apetite para seguir aquela que já é uma das contas mais românticas das redes sociais: