Rádio Observador

Higiene

Higiene: porque temos de tomar banho?

151

Os brasileiros são os que mais adoram o banho. Os chineses fogem dele. Os hábitos de higiene são essenciais nos tempos de hoje, mas não foi sempre assim.

É no continente sul americano que as pessoas mais vezes usam a banheira. Os brasileiros lideram a lista dos povos que toma mais banhos, com uma média de doze por semana. Os menos limpos parecem ser os chineses, que ligam o chuveiro apenas uma vez a cada dois dias.

Foram estes os resultados da busca que a Euromonitor, uma agência de análise de tendências, efetuou em vários países do mundo, noticiou o El País. Ao lado dos brasileiros, estão a Colômbia e Austrália, com uma média de até dez banhos por semana. A par da China estão a Alemanha, Turquia, Reino Unido e Japão.

Um banho por dia parece ser a média mais usual. Indonésia, México, França, EUA e Espanha são alguns dos exemplos.

Os resultados surpreenderam os analistas, embora tenham encontrado uma justificação para estes dados: tudo depende das condições climatéricas das regiões em estudo. Os ecologistas têm outras teorias: os países onde se tomam menos banhos são aqueles que mais cuidados têm na utilização da água e talvez os mais cientes do perigo da utilização de produtos com sulfato, parabeno e silicone.

Então afinal, com que regularidade devemos tomar banho? Joshua Zeichner e Ranela Hirsch, dermatologistas americanos, garantem ao Buzz Feed que tudo depende do nosso estilo de vida. A quantidade de vezes que tomamos banho e o modo como interpretamos o odor é “um fenómeno cultural”, portanto não há uma resposta definitiva para esta questão.

Na verdade, os hábitos de higiene que hoje consideramos normais foram impostas a partir dos anos vinte, numa tendência que chegou dos Estados Unidos. De acordo com um artigo publicado no Gizmodo, as necessidades de limpeza que hoje sentimos foram-nos impostas pela indústria do marketing, que estava em crescimento no início do século XX. É disso que se trata: criar necessidades e depressa oferecer soluções.

Foi então que associámos o hálito a algo desagradável e o odor corporal a algo evitável. Principalmente quando se assistiu ao êxodo rural e à concentração de mais pessoas em sítios cada vez mais fechados: do campo passou-se a trabalhar nas fábricas e depois em escritórios. Entre mulheres, a preocupação com a higiene passou a ser cada vez maior: o feminismo ganhou contornos mais vincados nos anos vinte. Com os homens americanos a lutar na Primeira Guerra Mundial, elas ocuparam os lugares vagos deles e passaram a ser um alvo da comunicação estratégica das empresas.

No fundo, os anúncios baseavam-se numa coisa: ostracismo. Para ilustrar essa estratégia basta recordar a história de James Webb Young, que herdou muito cedo a empresa de desodorizantes Odorono.

O produto não deixava ninguém feliz, até porque danificava as roupas. Além disso, havia a crença de que esses tipo de produtos bloqueava os poros da pele e causava danos. Na altura, saiu um estudo que dizia que dois terços da mulheres recusavam-se a utilizar produtos de higiene – e elas ficaram fulas por lhes chamarem “sujas”.

Mas para Young, o marketing estava feito: ao mesmo tempo que enviavam cartas à revista que publicou os resultados do estudo, as mulheres corriam ao supermercado para encher a casa de produtos de higiene. E a Odorono viu as vendas aumentarem de um dia para o outro.

Hoje em dia, estes hábitos enraizaram-se na cultura ocidental, mas não são completamente saudáveis. Os dermatologistas Zeichner e Hirsch dizem que tomar banho com a regularidade com que por norma fazemos pode “secar e irritar a pele” e eliminar as bactérias naturais e benéficas para o corpo. Conclusão: tomar banho a mais torna-nos mais propícios a contrair infeções.

De qualquer modo, existem regiões corporais que merecem uma maior atenção na hora de cuidar da higiene corporal: são elas o rosto, axilas, os genitais, o peito e o traseiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)