Conservação da Natureza

Evo Morales quer destruir áreas protegidas na Bolívia

328

Evo Morales ameaçou expulsar pessoas e organizações que estivessem contra os seus planos para exploração petrolífera em áreas protegidas. O Papa também apelou ao bom senso do presidente boliviano.

Evo Morales dizia-se defender da "Mãe Terra", mas está prestes a destituir as áreas protegidas para explorações de recursos humanos

Getty Images

Não foi apenas o crucifixo comunista e o chá de folhas de coca que marcaram a visita do Papa Francisco à Bolívia. Na presença do presidente Evo Morales, o chefe supremo da Igreja Católica apelou à proteção da biodiversidade e das comunidades indígenas naquele país.

A chamada de atenção do Papa surge depois de Evo Morales ter ameaçado silenciar todos os que pretendem limitar a exploração dos recursos naturais na Bolívia, incluindo organizações não-governamentais e fundações, contrariando os compromissos internacionais referentes à proteção do ambiente.

O governo boliviano promulgou recentemente dois decretos que permitem a abertura das áreas protegidas para a exploração de hidrocarbonetos, bem como a construção de uma estrada que atravessará o território indígena do Parque Natural Isiboro Secure. Este parque tem uma área de 1.236.300 hectares e foi uma conquista do povo indígena daquela região para de salvaguardar o seu património.

Os cientistas e jornalistas da revista Nature presentes no país – um grupo que inclui o investigador português Ricardo Rocha – já apelaram a Evo Morales que repense as últimas decisões que colocam em perigo a biodiversidade na Bolívia, até porque um dos motes do atual presidente era a proteção da Pachamama (“Terra Mãe” na língua nativa).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turquia

A solidão de Erdoğan /premium

Diana Soller

A Turquia é um Estado tampão que retém cerca de três milhões de refugiados – a maioria oriundos da Síria. Um gesto mais irrefletido de Erdoğan pode levar a uma crise sem precedentes na Europa.

Governo

O fracasso da geringonça /premium

Alexandre Homem Cristo

No domínio táctico, a geringonça foi uma vitória das esquerdas. No domínio político, não é mais do que a capitulação de PCP/BE em troca de acesso ao poder, mas nunca de real influência na governação.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)