O presidente do Sindicato da Construção de Portugal reúne-se hoje com a administração da Soares da Costa para debater os salários em atraso, a inatividade de centenas de trabalhadores e as “pretensões de despedimento coletivo” na construtora.

O sindicato explica que a reunião foi convocada a seu pedido e que entre os temas a abordar vai estar a “inatividade de mais de 300 trabalhadores”, os “três meses de salários em atraso dos trabalhadores que estão em Angola” e “a pretensão de despedimento coletivo de centenas de trabalhadores”, entre outros.

O presidente do Sindicato da Construção de Portugal, Albano Ribeiro, reúne-se com a administração da Soares da Costa pelas 10:30 na sede da empresa, que se localiza no Porto.

Segundo Albano Ribeiro, há cerca de 400 trabalhadores portugueses da Soares da Costa em Angola e que não recebem ordenado desde maio. Estes trabalhadores ameaçaram queimar os camiões e contentores onde dormem em protesto pela reposição dos pagamentos devidos.

As ameaças em Angola estendem-se a Portugal, onde os 275 trabalhadores em inatividade da Soares da Costa ameaçam ocupar com as suas famílias os escritórios na sede da Soares da Costa, em Santos Pousada, no Porto, caso a situação dos ordenados em atraso não se resolva com a administração.

Várias dezenas de trabalhadores da empresa Soares da Costa concentraram-se já em protesto contra os salários em atraso e entregaram uma resolução ao presidente da Câmara do Porto para que mova a sua “intervenção política” em defesa dos operários.