Estávamos a 11 de janeiro de 1999. Jon Stewart pisava o palco do The Daily Show pela primeira vez. Na altura, tomava o lugar de Craing Kilborn, o primeiro apresentador do talk show de sátira política norte-americano. Era um risco, ainda ninguém sabia o que esperar. Agora, dezasseis anos e 2.676 episódios depois, Jon Stewart prepara-se para apresentar o seu último programa. Se entrou como um anónimo, esta quinta-feira sai como uma lenda, deixando para trás um legado que influenciou toda uma geração de humoristas (e espectadores) por todo o mundo.

Jonathan Stuart Leibowitz nasceu em 1962 em Nova Iorque, no seio de uma família judia. A sua carreira como humorista iniciou-se no final dos anos oitenta, quando começou a frequentar os bares de stand-up comedy de Manhattan. O salto para a televisão deu-se em 1999, diretamente para o talk show que veio a imortalizar.

À medida que Jon Stewart ia dando forma ao programa, o Daily Show incorporava cada vez mais a sátira política. O público era sobretudo constituído por jovens com inclinações à esquerda e o programa reverenciado como uma fonte fiável de notícias, tal como relembra o New York Times.

Mas foi em 2000 que Stewart teve a oportunidade de mostrar o que valia: George W. Bush e Al Gore disputavam o lugar pela Casa Branca. A cobertura da polémica guerra política valeu ao Daily Show um Emmy, e um lugar ao sol como programa de referência política.

jon 1999

Jon Stewart no primeiro programa do “The Daily Show”, a 11 de janeiro de 1999

Outros dos episódios marcantes desta longa carreira televisiva aconteceu na primavera de 2009. O Daily Show tinha mandado o repórter Jason Jones para o Irão para cobrir a Revolução Verde. Em busca de rasgos de humor por entre o conflito – que pretendia retirar o presidente Mahmoud Ahmadinejad do poder –, Jason trabalhou com Maziar Bagari, um jornalista canadiano-iraniano que foi preso durante a sua investigação, sob suspeita de ser um espião. Depois de 118 dias em cativeiro, foi libertado e escreveu “Then They Came for Me”, um livro que conta o episódio. Jon Stewart utilizou a sua história para realizar o filme “Rosewater” em 2014, tendo feito um intervalo do programa durante o verão de 2013. Nessa altura, entregou as rédeas do Daily Show ao comediante britânico John Oliver.

Um dos momentos mais memoráveis aconteceu em 2010, quando o Stewart entrevistou Barack Obama pela primeira vez. “A única pessoa que é mais exagerada que eu, és tu”, disse na altura Stewart a Obama. Há duas semanas, o Presidente dos Estados Unidos fez a sua sétima e última aparição no programa, no dia 21 de julho.

US President Barack Obama speaks with Jon Stewart, host of "The Daily Show with Jon Stewart," during a taping of the show in New York, July 21, 2015. The appearance marks Obama's third time on the show as President, and seventh overall. AFP PHOTO / SAUL LOEB        (Photo credit should read SAUL LOEB/AFP/Getty Images)

A última vez de Obama no “The Daily Show”, a 21 de julho de 2015

Hoje, é Jon Stewart que se despede com o episódio 2.677: o derradeiro. Em setembro, dará lugar ao sul-africano Trevor Noah, uma carta fora do baralho – mas, dizem os rumores, com o mesmo sentido de humor acutilante. Jonathan Stuart Leibowitz fecha assim um ciclo, mas no entretanto, abriu pelo caminho muitas portas a todos os que cresceram – e se inspiraram – a ver o The Daily Show.

* Texto editado por Rita Ferreira