Cinco meses e duas extensões de prazo depois, o Supremo Tribunal italiano explica o porquê da absolvição de Amanda Knox e do seu ex-namorado italiano, Raffaele Sollecito, pelo assassinato da britânica Meredith Kercher em 2007.

A argumentação dos juízes agora revelada refere que o processo carecia de provas que sustentassem, de forma inequívoca, a culpabilidade do ex-casal de namorados. Os magistrados referem-se, em especial, a falta de “vestígios biológicos” relacionados com o crime.

O documento de 52 páginas frisa também que a atenção mediática internacional que o caso conheceu influenciou negativamente o decorrer da investigação. Segundo a mesma fonte, a “aceleração súbita da investigação” com o objetivo de encontrar rapidamente os culpados do crime, afetou “a integralidade e exactidão das actividades de investigação.”

O tribunal superior também escreveu que a incapacidade de os investigadores em colocarem Knox e Sollecito na divisão onde terá ocorrido o crime tornava impossível defender as acusações. Não obstante, as amplas evidências circunstanciais que apontavam para a sua presença dos dois na casa onde o assassinato ocorreu.

Os juízes escreveram que tinham de “excluir [Knox e Sollecito] da participação no assassinato material, apesar do pressuposto da sua presença na casa da Via della Pergola”, citando a “absoluta falta de provas sustentadas em traços biológicos seja quarto ou no corpo da vítima.”

Recorde-se que a absolvição foi ditada após Knox e Sollecito terem sido condenados duas vezes.  O casal negou sempre qualquer responsabilidade no crime, que o tribunal reconheceu em março de 2015,  uma decisão que agora justificou.