O presidente da comissão executiva do Millennium BCP disse não estar previsto qualquer aumento de capital, nem haver essa necessidade. À entrada para uma sessão de lançamento da biografia do empresário Ilídio Pinho, em Aveiro, Nuno Amado frisou aos jornalistas que o banco que dirige tem bastante liquidez, com os depósitos a igualarem o crédito.

Reagindo à opinião de alguns analistas que consideram que o BCP terá de promover um aumento de capital, o banqueiro assegurou que tal não foi sequer abordado em reuniões internas do banco, nem com as autoridades.

Segundo Nuno Amado, o BCP está a cumprir o plano de reestruturação aprovado há três anos, com um reforço do rácio de 13%, o qual sendo exigente, está a ser cumprido por pessoas sérias e com os resultados delineados. A quebra das ações do BCP em nove sessões consecutivas da Bolsa de Valores é explicada por “outros níveis de incerteza nos mercados”, nomeadamente quanto ao desfecho da venda do Novo Banco.

No entanto, sublinhou, “os riscos estão a ser devidamente controlados” pelas autoridades. “Se fizerem o que disseram, que é acautelar a estabilidade do sistema financeiro e assegurar o cumprimento dos rácios, o impacto será controlado”, disse.

Nuno Amado admite que a demora na concretização da venda do Novo Banco contribui para o clima de incerteza, mas considera que “nem sempre a pressa é boa conselheira”. “É bom que haja uma decisão rápida, mas é melhor que haja uma boa decisão porque é fundamental que o processo do Novo banco seja bem resolvido”, afirmou.