Rádio Observador

Restaurantes

Não pediu queijinho nem azeitonas, mas comeu-os? Então tem (mesmo) de pagar

606

A Associação de Direito do Consumo veio dizer que entradas que não sejam pedidas nos restaurantes não têm de ser pagas, mesmo que consumidas. Mas será mesmo assim? O Observador foi procurar respostas.

Sempre que come as entradas, mesmo que não as peça, tem de as pagar. A menos que o preço não conste da ementa

Autor
  • Marlene Carriço

Certamente que já lhe aconteceu ir a um restaurante e o empregado chegar à mesa com uma série de entradas, sem que as tenha pedido. Porventura também já lhe terá acontecido nem sequer as comer e, no final do repasto, lhe cobrarem o “couvert”. A Associação de Direito do Consumo garante que o que não é pedido, não é devido. Mas será que é mesmo assim? Tem ou não de pagar as manteigas, azeitonas, patês e queijinhos que não pediu?

O Ministério da Economia, que é quem legisla sobre esta matéria, não tem dúvidas que aquilo que é consumido tem de ser pago, mesmo que não tenha sido pedido. Só há duas situações em que as entradas não podem ser cobradas: quando os preços dos produtos não constam da ementa ou quando o cliente não os consome.

Não estando na lista de preços, uma vez colocado na mesa e consumido, não pode ser cobrado. Constando da lista de preços, uma vez na mesa e consumido, pode ser cobrado”, explicou ao Observador, fonte oficial do Ministério da Economia.

Mas esta semana o tema voltou a lume com as declarações do presidente da Associação Portuguesa de Direito do Consumo. Mário Frota defende que, à luz da lei, entradas não pedidas não podem ser cobradas. “Ainda que coma ou inutilize, desde que não tenha sido solicitado não tem de pagar”, reafirmou ao Observador.

Se você recebe em casa uma coleção de livros de cozinha que não pediu, então não a vai pagar”, ilustra Mário Frota.

Mas então em que ficamos? Afinal, o que diz a lei? O decreto-lei 10/2015, que entrou em vigor a 1 de março, diz, no número três do art. 135, que “nenhum prato, produto alimentar ou bebida, incluindo o couvert, pode ser cobrado se não for solicitado pelo cliente ou por este for inutilizado”.

E é precisamente esta passagem da lei que gera as diferentes leituras. Rosário Tereso, jurista da DECO, admite que “a lei não é de facto muito clara”, mas logo acrescenta que a interpretação da Associação é a de que “consumir faz toda a diferença”. Ou seja, desde que o cliente consuma, mesmo que não tenha pedido as entradas, terá de as pagar.

A partir do momento que consome está a dar o seu assentimento. Se não queremos, devemos rejeitar”, defende a jurista da DECO, acrescentando que interpretar a lei dessa forma é ir “demasiado além” e pode configurar “abuso de direito”.

E mesmo a redação desta lei “não sendo muito feliz”, “temos de a interpretar de acordo com as regras do código civil” e, portanto, “normalmente quando é oferta é indicado”.

Resumindo, embora haja quem defenda que o que não é pedido, não é devido. O melhor é mesmo pagar. Mas, atenção, pague só aquilo que comeu e, fica a saber que se o preço não constar da ementa, mesmo que coma, pode sempre não pagar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)