Cerca de 300 paraquedistas estão a participar no “Autumn Boogie 2015”, festival que reúne alguns campeões mundiais da modalidade até ao dia 18 de outubro, no aeródromo da Penina, em Portimão. Organizado pela SkyDive Algarve, o festival internacional de paraquedismo realiza-se anualmente desde 1999, tornando-se numa referência a nível mundial para a prática da modalidade devido às condições meteorológicas que a região do Algarve oferece nesta época do ano.

“Somos dos poucos países com condições climatéricas para fazer paraquedismo praticamente durante o ano todo, fazendo com que sejamos uma referência para os praticantes do norte da Europa”, disse à agência Lusa Sofia Machado, instrutora de paraquedismo da SkyDive Algarve.

Segundo a instrutora, realizar o Boogie em Portimão nesta altura do ano permite que os paraquedistas, individualmente ou em grupo, iniciem a sua preparação para os vários campeonatos que se disputam em todo o mundo.

“São realizados quatro eventos por ano, mas este é o que concentra mais paraquedistas, porque têm a possibilidade de iniciar a sua preparação de início de época”, sublinhou.

Entre os participantes no festival de Portimão estão Pete Allum, campeão do mundo na disciplina Voo Relativo, com mais de 30.000 saltos, e Ian Milko Hodgkinson, vencedor do Campeonato Nacional de Voo Relativo em 2015 e participante em três recordes mundiais de Voo em Formação, com mais de 22.000 saltos.

De acordo com Sofia Machado, os eventos têm sido dinamizadores da modalidade na região, “o que tem feito crescer a procura pelo paraquedismo, por pessoas de várias idades”.

“Na escola temos feito uma média de cinco novos alunos por mês e esse número tem tendência para aumentar”, frisou a instrutora, acrescentando que “o paraquedismo tem cada vez mais níveis de segurança elevadíssimos, o que aumenta o grau de confiança aos novos praticantes”.

“Consegue-se com muita segurança praticar um desporto que, à partida, intimida”, destacou.

Para Francisco Correia, vice-diretor do aeródromo da Penina, em Alvor, freguesia do concelho de Portimão, os festivais de paraquedismo “têm sido grandes dinamizadores da estrutura aeroportuária e da economia local”.

“São eventos que movimentam centenas de pessoas, já que a maior parte dos paraquedistas tiram férias nesta altura do ano e vêm acompanhados pelas famílias, contribuindo para dinamização da economia da região”, frisou Francisco Correia.

As condições climatéricas do Algarve permitem, segundo os organizadores, fazer uma média de cerca de 700 saltos diários, a uma altitude de 14.000 pés (cerca de 4.200 metros).

Os saltos são proporcionados por dois aviões Dornier DO28, aeronaves que atingem os 16.000 pés de altitude (cerca de 4.800 metros) em apenas oito minutos, com capacidade para transportar 15 paraquedistas.