Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Álvaro Beleza, que se tornou uma espécie de frente avançada dos seguristas, prepara-se para anunciar a sua candidatura a secretário-geral do PS. Não é uma estreia. Em 1992, já tinha tentado tornar-se líder do partido — mas, na altura, ficou esmagado entre António Guterres e Jorge Sampaio.

As circunstâncias da época tiveram algumas semelhanças com as de hoje. Tal como agora, o PS teve uma derrota, chegando apenas aos 29,13% nas eleições de 1991 (contra os 50,60% de Cavaco Silva). Tal como agora aconteceu com Ana Gomes, na altura um indignado António Guterres disse na noite das eleições que estava “em estado de choque” com o resultado obtido por Jorge Sampaio.

A disputa interna que se seguiu dividiu o partido. A vitória final foi de António Guterres, mas, antes, teve de passar por um embate na RTP contra Jorge Sampaio — e contra um muito jovem Álvaro Beleza. O debate foi moderado por Judite de Sousa e, logo a abrir, Beleza apresentava-se como o candidato do “socialismo liberal”, “uma nova fórmula ideológica que sucede à social-democracia”. Para concluir que “a própria social-democracia está algo esgotada”. Isto foi antes de Tony Blair ter aparecido com uma proposta de terceira via para o Labour e de Bill Clinton ter sido eleito nos EUA com uma fórmula idêntica.

Veja o excerto:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR