Rádio Observador

Legislativas 2015

Cavaco pede a Passos alianças com PS para Governo “estável e duradouro”

477

O Presidente da República anunciou esta terça-feira que encarregou o líder do PSD de procurar acordos com o PS para um Governo "estável e duradouro".

Paulo Jorge Magalhães/Global imagens

O Presidente da República encarregou esta terça-feira Pedro Passos Coelho de desenvolver “as diligências com vista a avaliar possibilidades de constituir uma solução governativa que assegure a estabilidade política e a governabilidade”, mas deixou claro que isso não pode ser feito com partidos que são contra a NATO ou o euro, ou seja, pediu acordos com o PS.

“O governo a empossar deverá dar aos portugueses garantias firmes de respeitar os compromissos internacionais historicamente assumidas e as grandes opções estratégicas adotadas pelo país desde a instauração de regimes democráticos e sufragadas nestas eleições pela esmagadora maioria dos cidadãos”, disse, referindo-se à NATO e à adesão plena à União Europeia e à zona euro. “É fundamental que seja agora formado um governo estável e duradouro como acontece em todas as democracias europeias“, insistiu, numa comunicação ao país.

Cavaco sublinhou que “cabe aos partidos revelar abertura para o compromisso que assegure uma solução governativa consistente” e deixou o aviso: “Que fique claro que, nos termos da Constituição, o PR não pode substituir-se aos partidos no processo de formação do Governo“.

A declaração de Cavaco, às 20h15, ocorreu duas horas depois de ter estado reunido com Passos Coelho esta tarde no rescaldo das eleições legislativas de domingo. Na sequência da reunião, PSD e CDS fizeram o acordo de Governo, ainda antes de os partidos falarem com o PS ou mesmo de os restantes partidos serem ouvidos pelo Presidente.

Na curta mensagem, o PR lembrou ainda que o país deve “seguir uma trajetória sustentável de crescimento da economia e criação de emprego, que permita a eliminação dos sacrifícios que foram exigidos aos portugueses e o combate às situações de pobreza”.

No caderno de encargos, colocou também a sustentabilidade da dívida pública, o equilíbrio das contas externas, a redução do endividamento para com o estrangeiro e a competitividade da economia.

As reacções não se fizeram esperar. O primeiro foi o PCP, pela voz do líder parlamentar, João Oliveira, acusando o Presidente da República de estar a “patrocinar” uma “solução governativa que foi rejeitada nas urnas”. Ora, para João Oliveira, Cavaco está a “patrocinar” um governo que insiste no “caminho de destruição” e na “perpetuação de uma política” assente” na “submissão externa”.

Do lado do PSD e CDS, disponibilidade total. Marco António Costa, do PSD, falou só para o PS pedindo abertura. “Toda a gente sabe qual é a disponibilidade do CDS quando são precisos compromissos”, disse, por seu lado, João Almeida, no Largo do Caldas, onde o conselho nacional do partido estava reunido.

O vice-presidente do PSD defendeu que a declaração do Presidente da República está “em linha” com o discurso feito por Passos Coelho na noite eleitoral, e que apontava para a necessidade de entendimentos com o PS. O PSD está, assim, com “a maior atenção e total identificação com objetivos e preocupações manifestados pelo Presidente da República”, disse Marco António Costa.

Falando aos jornalistas a meio de uma reunião do Conselho Nacional do partido, o vice-presidente social-democrata identificou o PS como “o único partido” com que é possível procurar “uma solução de política de estabilidade”, lembrando que o presidente do PSD já tinha dado essa indicação no discurso da noite eleitoral.

“O presidente do PSD já tinha dado indicação de que iria contactar o PS para vir a encontrar pontos de convergência para uma solução negociada”, reiterou, sublinhando que essa busca por uma solução terá de se fazer junto do único partido que se filia nos mesmos princípios europeus e da moeda única do que o PSD e o CDS.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

PCP

PCP: partido liberal falhado?

José Miguel Pinto dos Santos
6.765

Será então que a proposta eleitoralista de taxar depósitos acima de 100 mil euros um desvio liberal de um partido warxista? De modo algum. Não só é iliberal como irá agravar a próxima crise económica.

Maioria de Esquerda

A síndrome Maria Heloísa /premium

André Abrantes Amaral

Não pensem que a maioria absoluta livra o PS do BE ou do PCP. Tanto um como outro são já parte integrante do PS que recebeu de braços abertos membros que, noutras eras, teriam aderido ao PCP ou ao BE.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)