Documentários

E se deixasse de consumir álcool, açúcares e produtos com aditivos durante um mês?

1.728

Um documentário acompanhou de perto Sasha, que se propôs a deixar de lado os açúcares e comida com aditivos durante 30 dias. Nem sempre foi fácil. Mas os efeitos são, sem surpresa, benéficos.

Al Barry/Three Lions/Getty Images

Um documentário da produtora de TV holandesa LifeHunters acompanhou durante um mês a transformação, física e emocional, de Sacha Harland, que deixou de consumir, durante esse período, álcool, açúcar e “comida de plástico” – a denominada “junk food”. Foi uma espécie de “Super Size Me” (recorda-se do documentário?), só que ao contrário.

“Hoje, como é tão complicado encontrar comida saudável, resolvemos descobrir o que acontece a quem quer renunciar ao açúcar, ao álcool e aos alimentos com aditivos”, explicou Erik Hensel, um dos documentaristas da LifeHunters. E concluiu: “Os efeitos físicos e psicológicos foram, inicialmente, estranhos. Mas ele [Sacha] está hoje mais consciente daquilo que come. Desde que deixou de consumir apenas alimentos frescos, e voltou a consumir alimentos com açúcar, custa-lhe mais dormir e tem muito menos energia.”

O documentário tem mais de quatro milhões de visualizações no YouTube e mais não quer do que alertar os consumidores para os benefícios de uma prática alimentar mais saudável. Sobretudo num tempo em que os consumidores são como que “bombardeados”, onde quer que vão, por anúncios de alimentos aditivados. A prática está tão enraízada no nosso quotidiano de consumo, que mesmo os melhor informados, não se apercebem desta presença na alimentação.

Mas regressemos a Sasha. Ele, durante a primeira semana, apenas comeu verduras, frutas (aquelas que têm um nível de frutose mais reduzido, como os frutos vermelhos, a melancia e todos os que têm um grande teor de água) e produtos frescos. E álcool, que também contem açúcar, nem vê-lo.

No documentário, Sasha relata que tem permanentemente fome, que não se sacia com a dieta, e que o seu humor se tornou insuportável aos seus mais próximos, de tantas variações que demonstra. Só ao vigésimo quinto dia de dieta é que começou a sentir, realmente, os efeitos mais positivos: Sasha despertava com maior facilidade, sentia-se com mais energia, tinha perdido quatro quilos, reduzido o nível de colesterol em oito por cento e a pressão sanguínea em 10 pontos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)