331kWh poupados com o
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo MEO

Veja as melhores ofertas de telecomunicações aqui.

Tiago Palma

Jornalista

“A invenção do amor”, de Daniel Filipe. Foi neste brevíssimo livro, um dos primeiros que me foi oferecido e logo avidamente folheei, que me fiz leitor – ainda um catraio, pespineta mas curioso. E nele se lê, a versos tantos: «Em letras enormes do tamanho / do medo da solidão da angústia / um cartaz denuncia que um homem e uma mulher / se encontraram num bar de hotel / numa tarde de chuva / entre zunidos de conversa / e inventaram o amor com carácter de urgência». Nunca conheci Daniel Filipe. Sei dele que morreu demasiado cedo – e passou-se uma vida inteira desde a sua morte e o meu nascimento –, que foi um resistente anti-fascista e tinha-o a PIDE como sendo um “perigoso agitador”, que David Mourão-Ferreira o convidou a “sentar-se” à volta da Távola Redonda com Cinatti ou Couto Viana. E é tudo quando necessitarei saber. Nunca lho pude dizer, mas a poesia do Daniel, tão pormenoriza, crua, real, intimamente real, foi o que primeiro li (ainda que não o seja, na verdade) em reportagem. O arrebatamento final ao jornalismo foi “culpa” do Ryszard Kapuściński, da Martha Gellhorn ou do Hunter S. Thompson. Mas culpem-se igualmente duas vozes, na TV e na rádio: as de Morley Safer e Fernando Alves. Vou procurar honrá-los no ofício.

Artigos publicados

A página está a demorar muito tempo.