Lisboa vai ter uma rede de bicicletas partilhadas. Vão ser 1400 bicicletas espalhadas por 140 locais da cidade. O “bike sharing” vai entrar em funcionamento em 2016 e a Empresa de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), a responsável pelo investimento, anunciou que vão ser investidos cerca de 28,9 milhões de euros durante os próximos nove anos.

Foi aberto um concurso público pela EMEL, que decorre até 19 de novembro, para a “aquisição, implementação e operação do Sistema de Bicicletas Públicas Partilhadas (SBPP) na cidade de Lisboa”. A EMEL explicou, em comunicado enviado à agência Lusa, que “o concurso agora publicado pretende identificar e contratar a empresa que vai fornecer e instalar toda a parte física do sistema, nomeadamente as 1.400 bicicletas e as 140 estações [postos de recolha] que estarão espalhadas em zonas estratégicas ao longo da cidade de Lisboa”.

A EMEL explica ainda que a empresa será a responsável pela gestão do sistema, em termos da sua manutenção e logística operacional durante os nove anos. “O custo final [para a empresa] será sempre inferior ao investimento” que é feito, já que são esperadas receitas “ao nível da utilização e da publicidade”, acrescentou a entidade à Lusa. A empresa deverá ter experiência na utilização de bicicletas e em componentes funcionais da bicicleta, fatores que valem 30% e 10% respetivamente, sendo que a imagem do sistema de bicicletas partilhadas também vai valer 10%.

A promoção para a utilização da bicicleta como meio de transporte, pela EMEL, não fica por aqui. Esta sexta-feira divulgou no seu site a criação de um espaço para parqueamento exclusivo de bicicletas no Parque de Estacionamento da Calçada do Combro. “Este sistema possibilitará aos utilizadores deixar a sua bicicleta de uma forma segura, cómoda e gratuita nos parques de estacionamento da EMEL”, pode ler-se no site.