Os trabalhos de remoção da embarcação que encalhou este sábado de manhã  junto à marina de Cascais já arrancaram.

Sete rebocadores estão envolvidos na operação de resgate do petroleiro encalhado, na Grande Lisboa, que, até as 12h00, deverá ficar estabilizado para uma nova tentativa de reboque depois das 16h00.

O Capitão do Porto de Cascais, comandante Mário Fonte Domingues, explicou à Lusa que, durante a manhã, até cerca das 12h00, vai ser retirada a água (lastro) dos tanques do navio, que servem para o equilibrar, e que só depois desta operação de estabilização se vai dar início ao reboque.

“Os sete rebocadores estão prontos para operar, mas é preciso primeiro estabilizar o navio, através de movimentações de lastro”, disse o capitão do Porto de Cascais.

Mário Fonte Domingues não descartou a existência de risco de derrame de combustível no mar, ou de outro tipo de poluição, adiantando que, apesar de existir um plano de reboque, é imprevisível o decurso da operação, nomeadamente por causa da agitação do mar, mas adiantou que no local estão já embarcações e outros meios de combate para essa eventualidade.

O reboque do navio, depois da movimentação de lastro, só deverá começar a partir das 16h00 ou 16h30, explicou o comandante, salientando que é na altura da preia-mar que as condições de reboque do navio são mais favoráveis.

O Tokyo Spirit, um navio petroleiro de 274 metros e 30 mil toneladas, está encalhado na zona da baía de Cascais, distrito de Lisboa, desde as 12h00 de sábado, permanecendo a bordo os 22 tripulantes do navio, depois de terem recusado ser resgatados, para poderem colaborar na operação de desencalhe do navio.