Manuela Ferreira Leite disse, no seu comentário habitual na TVI24, não perceber por que razão o PSD não dá o apoio formal à candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa, agora que estão afastadas as candidaturas de Rui Rio e de Santana Lopes.

Não consigo perceber porque o PSD não apoia formalmente Marcelo Rebelo de Sousa. A partir do momento que esses candidatos desistiram da corrida (Rui Rio e Santana Lopes) de que é que se está à espera para formalizar o apoio a Marcelo Rebelo de Sousa?

Para a ex-líder do PSD, “as bases do partido apoiam Marcelo, o partido está todo com ele”.

Sobre um eventual volte face que faça surgir a candidatura de Rui Rio, a ex-líder do PSD afirma que tudo não passa de “um boato”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Conhecendo Rui Rio como conheço, não ia dar uma cambalhota e tomar uma decisão para dividir um eleitorado que neste momento está unido para ganhar a Presidência da República.”

Até porque na opinião da comentadora da TVI24, o surgimento de outra candidatura à direita apenas iria dar trunfos à esquerda, colocando em risco a eleição de um candidato social-democrata. E conquistar Belém é essencial para Ferreira Leite. Tal como a eleição de Marcelo seria, no entender da ex-governante, uma oportunidade para o partido mudar de rumo:

Marcelo Rebelo de Sousa pode ser aquela pessoa que pode voltar a pôr o partido no centro.”

No seu comentário habitual na TVI24, Manuela Ferreira Leite afirmou também que nem Marcelo é de direita, nem o PSD é um partido de direita. A ex-líder social-democrata afirmou ainda que no dia em que o PSD for de direita não mais voltará ao poder sozinho:

Não me apetecia nada ver o professor Marcelo como candidato de uma direita. O seu perfil político e a sua história política não são de direita. Sempre foi social-democrata, foi fundador e líder do PSD, não consigo conotá-lo sem ser com o PSD. Marcelo não é de direita e não quero que o PSD seja um partido de direita. No dia em que for um partido de direita, provavelmente acaba a possibilidade de algum dia o PSD tornar a vir a ser governo sozinho.”