FC Porto

Lopetegui diz que “não há jogos fáceis” (antes da visita ao União da Madeira)

Na véspera de defrontar a União da Madeira, Julen Lopetegui admitiu que espera dificuldades, desvalorizando os baixos índices de concretização do adversário.

ESTELA SILVA/LUSA

O treinador do FC Porto, Julen Lopetegui, considerou esta terça-feira que não há “jogos fáceis”, partilhando as dificuldades que espera na em casa do União da Madeira, em partida em atraso da nona jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O técnico dos ‘azuis e brancos’ desvalorizou os baixos índices de concretização do adversário – cinco golos apontados no campeonato -, preferindo centrar a estratégia naquilo que a sua equipa tem de fazer.

“O União, mesmo com dois jogos a menos, está fora da zona de despromoção. É uma equipa com uma ideia clara de como jogar e atacar. Temos de mostrar argumentos para vencer este jogo, usando confiança as nossas qualidades para superar as dificuldades”, apontou Lopetegui. Para o treinador do Porto este é “um jogo entre equipas de futebol profissional”, considerando que “não há facilidades a este nível”.

“Tudo vai depender do façamos durante o jogo, porque as estatísticas não retiram os graus de dificuldade”, completou o treinador do FC Porto.

Confrontando com os resultados menos conseguidos da sua equipa nas últimas deslocações à Madeira, Julen Lopetegui garante que isso “já faz parte da história”. “É certo que houve uma sequência de resultados que não foram positivos na Madeira, mas, assim que termina, um jogo já é história, e antes do outro começar tudo pode acontecer. Não acredito em coincidências, mas sim na qualidade e determinação da equipa para superar as dificuldades”, apontou o treinador.

O embate entre União da Madeira e FC Porto vai realizar-se um mês depois do previsto no calendário, uma vez que o jogo teve de ser adiado por o avião onde seguia a equipa nortenha não ter conseguido aterrar no Funchal, devido ao mau tempo.

Apesar de volvido esse período, Julen Lopetegui não considerou que muita coisa tenha mudado nas duas equipas e até na envolvência do jogo. “Todas as equipas vão mudando e evoluindo, mas acho que futebolisticamente não há muitas diferenças no que as equipas propõe agora e no que faziam há um mês atrás. Até o árbitro é o mesmo, por isso, com o mesmo campo, os mesmos rivais, é tudo parecido”, afirmou.

Em tom mais crispado, respondeu o treinador do FC Porto a uma pergunta envolvendo o recente desaire da equipa frente ao Dínamo de Kiev, para a Liga dos Campeões, considerando que as derrotas ajudam os grupos de trabalho a melhorar.

“O jogo com o Dínamo de Kiev já é história, estamos focados apenas no jogo de quarta-feira. Todas as equipas têm de melhorar, todas têm dificuldades em ganhar jogos, todas na Europa perderam jogos – e a que mais tarde perdeu fomos nós – e temos de analisar tudo isso e evoluir”, vincou o treinador, garantindo que as críticas não afetam o grupo.

“Sou treinador para, nestes momentos, conseguir gerir todas as situações e tirar o máximo rendimento da minha equipa. Esse é o meu objetivo. Tudo faremos para que esse ruído não afete o plantel”, acrescentou.

O FC Porto, segundo classificado com 24 pontos, desloca-se esta quarta-feira ao reduto do União da Madeira, 16.º com 7, numa partida que agendada para as 20:00, e que terá arbitragem de Bruno Paixão, de Setúbal.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)