Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Descobrir que o Pai Natal não é real é um duro golpe para qualquer criança. Golpe esse que, se antigamente podia ser evitado durante anos, agora está à distância de um clique. As crianças de hoje em dia começam a mexer nos telemóveis, iPads e computadores dos pais desde muito cedo e, se aprendem a pesquisar vídeos do Ruca no YouTube, também não é difícil pesquisarem sobre o Pai Natal no Google.

E o Google que nunca ou raramente se engana estampa-lhes com a terrível verdade. É por isso que um estudo feito na Austrália a 2.000 adultos sugere que os pais mantenham os seus filhos longe dos motores de busca, depois de ter descoberto que uma criança australiana descobre a verdadeira identidade do Pai Natal aos sete anos, quando os seus pais só descobriram aos nove.

O estudo revelou que o grande destruidor de sonhos é a publicidade, com 44 por cento das crianças a questionarem a sua crença no homem da Lapónia após verem anúncios online dos presentes que pediram na carta que enviaram para o Pólo Norte.

Mais de um terço disse que uma pesquisa rápida no Google mostrava resultados que explicavam que o Pai Natal não passa de um mito da quadra natalícia. Já 25 por cento viram os pais a comprar os seus presentes online. O Facebook também não está isento de culpas, já que uma em cada dez crianças australianas descobriu a verdade na rede social.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar de a magia (ou a mentira, como lhe quiserem chamar) terminar mais cedo e já não acabar porque alguém na escola ou o irmão mais velho se descaiu, ou porque as crianças encontraram presentes escondidos em casa, se quiser ainda há formas de a preservar durante algum tempo.

A Hide My A**!, responsável por este estudo, criou um plug-in que permite aos pais controlarem a sua navegação de forma a eliminar ou diminuir a hipótese de a verdade vir à tona após uma pesquisa no Google. O plug-in esconde resultados, páginas visitadas, tweets ou estados de Facebook onde determinadas combinações de palavras tais como “Pai Natal” e “falso” apareçam.

“Quisemos dar aos pais uma ferramenta opcional que lhes permitisse manter a magia do Natal e o mistério do Pai Natal durante mais um bocadinho”, disse Cian McKenna-Charley, da empresa, à news.

Para os pais que quiserem surpreender os seus filhos com uma mensagem mais realista do Pai Natal, basta irem a PortableNorthPole.com, onde podem criar gratuitamente vídeos de votos felizes para toda a família ditos pelo homem das barbas brancas em pessoa (em inglês). Através da plataforma, o Pai Natal diz o nome da criança, mostra fotografias no seu álbum, fala das suas boas ações e até dos seus resultados na escola. E como se isso não bastasse, o site também permite que os pais criem telefonemas personalizados do Pai Natal. Tudo para que a tradição não deixe de ser o que era.