Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Neste Natal não haverá uma estrela guia no céu noturno, mas uma chuva delas. Ou duas. Ou três. Se mesmo assim não lhe chegar, pode sempre aproveitar a passagem do cometa Catalina. Ou, em alternativa, uma Lua cheia no dia 25. Tudo bons motivos para passar o mês de dezembro a olhar para o céu, mas não se esqueça dos agasalhos porque o inverno está à porta – oficialmente dia 22 de dezembro, às 4h48 (hora de Lisboa).

Catalina, o cometa C/2013 US10, ainda está muito brilhante e é praticamente visível a olho nu, embora seja mais fácil com binóculos, refere o Observatório Astronómico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. “O cometa aparecerá no horizonte, a sudeste, pelas 5 horas na constelação da Virgem, deslocando-se no final do mês para a constelação do Boieiro, onde será visível cada vez mais cedo, a partir das 2 horas.”

Fases-da-Lua-dezembro15

Este mês vão cruzar os céus três grupos de chuvas de meteoros: as Taúridas do Norte, as Gemínidas e as Úrsidas. As Gemínidas, que parecem sair da constelação de Gémeos, são a chuva de estrelas mais notável das três. À medida que a Terra cruza a órbita do asteroide Faetonte, entre 4 e 17 de dezembro, o enxame será visível. O pico acontece dia 14, poucos dias depois da Lua nova, e podem ser vistas até 120 meteoros cadentes por hora.

Quase na véspera de Natal, dia 23, há o pico da Úrsidas, que parecem sair da constelação da Ursa Menor. A chuva de meteoros resultante da passagem da Terra pela órbita do cometa Tuttle, dura de 17 a 26 de dezembro. Serão difíceis de ver porque terá no máximo 10 meteoros por hora e porque está já muito próxima da Lua cheia. Quanto às Taúridas do Norte serão ainda mais difíceis de ver, pois o pico de atividade foi em novembro e terminam dia 10 de dezembro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Guia básico para a chuva de meteoros: afaste-se das cidades e das zonas com poluição luminosa, escolha um local com o horizonte desimpedido e evite noites nubladas. Conselho extra: as chuvas de estrelas não são um “chuveiro”, mas não desanime e aproveite para ver as restantes estrelas no céu. E os planetas também. Todos os planetas visíveis a olho nu podem ser observados durante a noite.

@ Andreia Reisinho Costa

A partir de dia 5 de dezembro pode ver Mercúrio ao crepúsculo, no final do dia, a oeste na constelação de Sagitário. A este, na constelação de Leão, estará Júpiter toda a noite. Vénus e Marte aparecem de madrugada, a sudeste, na constelação de Virgem. Com binóculos ou telescópios também conseguirá ver Úrano na constelação de Peixes e Neptuno em Aquário. Este mês só não conseguirá ver Saturno.