“Há muitíssimo por explicar no Banif”. Foi assim que Luís Marques Mendes começou por se referir ao caso Banif no seu comentário na SIC, esta noite de sábado. São cinco dúvidas ao todo que merecem explicações, insistiu. Três devem ser explicadas pelo anterior Governo do PSD/CDS e duas são da responsabilidade de António Costa.

Dúvida 1

“Como se entende que em 2013 o Governo [PSD/CDS] tenha metido 1,1 milhões de euros no Banif sem que tivesse um administrador executivo na administração? É o único caso em que o dono da empresa não manda!”.

Dúvida 2

“Houve oito processos de reestruturação do banco entregues em Bruxelas e nenhum foi aprovado. Ninguém vem dar uma explicação?

Dúvida 3

“O Governo [PSD/CDS] fez um concurso em cima da hora, em estado de necessidade, para vender o banco. Por que razão não o fez em fevereiro ou março, a tempo e horas? Dá a sensação que quis adiar isto para depois das eleições”.

Dúvida 4

“Este Governo excluiu do concurso de venda quatro fundos por não terem licença bancária. Se foram admitidos a concorrer, como é que são excluídos depois disso? Um deles foi o Apollo que concorreu à compra do Novo Banco. Isto é tudo pouco ortodoxo”.

Dúvida 5

“Na resolução do BES os encargos foram suportados pelos bancos e não pelos contribuintes. Agora, já não é o sistema financeiro que suporta os riscos mas os contribuintes. Duas resoluções, dois bancos, dois critérios opostos. Esta questão tem que ser esclarecida”.

Marques Mendes foi especialmente duro para o PSD. Classificou a entrevista da ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, à TVI sobre o caso Banif “um desastre” e disse que o PSD, ao lado de António Costa, parecem “aprendizes de política”.

“Surpreende-me a passividade do PSD. Parece estar com medo”, disse ainda, considerando que devia ser feita uma auditoria externa independente ao Banif, como sugeriu Horta Osório.