O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, que está a ser ouvido na Comissão de Saúde, reiterou, esta quarta-feira, que está a trabalhar numa alteração à lei que permita que as pessoas que vão primeiro ao médico de família e que são encaminhadas para uma urgência hospitalar, não pagarão a consulta na urgência, nem os exames que fizerem.

“As taxas moderadoras não podem ser uma barreira económica, devem ser educativas. Significa que a pessoa deve saber que deve ir ao médico de família primeiro porque além de não pagar consulta, como já não paga, também não pagará taxa moderadora pelos exames”, afirmou o ministro, reafirmando aquilo que já tinha dito na entrevista que deu à TVI.

O Observador confirmou que a legislação das novas taxas moderadoras entra em vigor quando a lei do Orçamento do Estado para 2016 entrar.