Rádio Observador

FC Porto

Peseiro para Pinto da Costa: “Não o vou deixar mal”

José Peseiro foi apresentado no Estádio do Dragão com uma promessa a Pinto da Costa: "Não o vou deixar mal". O novo treinador deixou ainda a garantia que a mensagem vai passar mas "step a step".

MIGUEL RIOPA/AFP/Getty Images

Depois da derrota em Famalicão e da consequente eliminação da Taça da Liga, José Peseiro já foi apresentado no Estádio Dragão como novo treinador do FC Porto. O novo treinador dos dragões, que assinou um contrato válido por um ano e meio com outro de opção, garantiu que “sei da exigência que é treinar o FC Porto” e dos objetivos “com que o FC Porto se compremeteu no início da época. Com excepção da Taça da Liga”. No final da declaração de abertura deixou uma promessa a Pinto da Costa: “Não o vou deixar mal”.

Já o presidente Pinto da Costa começou por afirmar que “não é necessário” apresentações porque não conhecer “o professor José Peseiro é desconhecer totalmente o futebol e o futebol português”. Para além disso o líder do clube azul e branco quis dar as “boas vindas publicamente” à nova equipa técnica e transmitir “uma confiança total”.

Respondendo às perguntas dos jornalistas, o antigo técnico do Sporting explicou que os “nossos adversários não podem ser os portistas” lançando o “desafio de encher o estádio no domingo” (frente ao Marítimo).

Explicando o processo das negociações, Peseiro revelou ainda que o primeiro contacto surgiu da parte do presidente na “manhã do dia seguinte ao empate com o Rio Ave em casa”, ainda Lopetegui estava no clube, onde Pinto da Costa lhe “perguntou sobre a disponibilidade”, e se “acreditava no projeto Porto”. Depois, o treinador revelou que ficou combinado que “a seguir ao jogo da taça com o Boavista falaríamos sobre o mais importante” e que seria nessa conversa onde se iria “ultimar alguma coisa”. Garantindo que “esta é a verdade” e “acredita quem quiser”.

Sobre reforços nenhum comentário até porque o “mais importante é dizer que estes jogadores que aqui estão já estiveram em primeiro lugar nesta liga”, referindo que em “três dias não há muita coisa para mudar”. Garante que “se achasse um desafio onde não poderia ter sucesso não vinha” e que tem confiança que “aquilo em que acredita vai passar” à equipa, ainda que “step a step”. Mas quer jogadores “ativos, participativos e que não sejam marionetes”.

“Disse aos jogadores [no primeiro treino, de manhã] que queremos ser campeões, ganhar a Liga Europa e a Taça de Portugal, pois não faz sentido estar neste clube sem ser assim”, disse ainda o novo técnico dos ‘dragões’, durante a sua apresentação oficial, ladeado pelo presidente do clube, Pinto da Costa.

Primeiro com um discurso confiante, em dia de apresentação oficial no novo cargo, e a seguir em resposta às perguntas dos jornalistas, o ex-técnico dos egípcios do Al Ahli disse conhecer “a exigência e responsabilidade que é ser treinador do FC Porto, que nos últimos 30 anos tem dominado o futebol português e tem um estatuto internacional reconhecido”.

Peseiro anunciou “ideias próprias para um modelo de jogo”, dando a entender que não seguirá o tipo de futebol da última época e meia: “Vamos passo a passo, pois venho com as minhas ideias e não vou pegar nas antigas”. “Não digo que são melhores ou piores, são diferentes. Não vou refugiar-me no que não é meu, nem no que está feito”, assumiu o técnico, de 55 anos, que alertou para o facto de “em três dias, antes da receção ao Marítimo, não se poder mudar já tudo”. Nas suas palavras, os portistas vão “mudar o que é substancial e que é importante”, sublinhando que a direção do clube “acredita nestas ideias para o sucesso da equipa”.

Ao reconhecer que há um certo ‘divórcio’ entre os adeptos e a equipa, lançou o desafio: “É o momento em que precisamos deles, da sua emoção, do seu envolvimento e de estar mais unidos do que nunca”. “Há muita gente que não gosta que o FC Porto ganhe, temos muitos adversários e não queremos que os nossos adversários sejam os próprios portistas”, justificou.

Questionado sobre eventuais reforços ainda no período de inverno, Peseiro apenas referiu: “Importantes são os jogadores que cá estão e que, por serem bons, aprendem mais depressa”. “Podem estar desconfiados sobre as suas competências, mas sabem o valor que têm e é momento de pensar nas coisas positivas, nas coisas boas, nos seus momentos efusivos e eloquentes para colocar o seu valor em campo”, terminou.

Peseiro foi anunciado na terça-feira como novo treinador do FC Porto, clube com o qual assinou um contrato válido até 30 de junho de 2017, sucedendo a Lopetegui, que deixou o comando técnico dos ‘azuis e brancos’ a 08 de janeiro último.

O técnico natural de Coruche vai orientar o seu quarto clube do principal escalão nacional, depois das passagens por Nacional, Sporting e Sporting de Braga.

Após 18 jornadas, o FC Porto ocupa o terceiro lugar da I Liga, com 40 pontos, menos cinco do que o líder Sporting e a três do Benfica, segundo classificado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)