Cinema

Filme de Ivo Ferreira integra competição do Festival de Cinema de Berlim

A longa-metragem "Cartas da guerra" integra os 23 filmes do programa da competição pelo Urso de Ouro do festival. O filme é uma adaptação do livro "D'este viver aqui neste papel descripto".

O filme terá estreia mundial em Berlim

CARMO CORREIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Festival de Cinema de Berlim anunciou esta terça-feira quais as 23 longas-metragens em competição pelo Urso de Ouro. Entre elas está “Cartas da Guerra“, do realizador português Ivo M. Ferreira. De acordo com o site da 66.ª Berlinale — Festival Internacional de Cinema de Berlim, que decorrerá de 11 a 21 de fevereiro, com Meryl Streep a presidir ao júri internacional, participam filmes de 20 países.

Dos 23 filmes do programa da competição oficial — 19 em estreia mundial — 18 vão disputar os prémios máximos, entre eles o português “Cartas da Guerra”, uma adaptação ao cinema do livro D’este viver aqui neste papel descripto. O livro, organizado por Maria José e Joana Lobo Antunes, reúne cartas de António Lobo Antunes, escritas no período em que serviu o exército português na guerra colonial.

No filme de Ivo M. Ferreira, que terá estreia mundial em Berlim, o ator Miguel Nunes interpretará a personagem de António, e Margarida-Vila Nova será a mulher dele, Maria José, contando-o elenco ainda com Ricardo Pereira, João Pedro Vaz, Simão Cayatte e Isac Graça.

De acordo com a programação da Berlinale, o certame abre com o filme Hail, Caesar!, dos irmãos Ethan e Joel Coen, que se encontra fora da competição, e Cartas da guerra será exibido nos dias 14, 15, 16 e 21 de fevereiro. No programa da competição oficial estão também os filmes 24 Wochen, de Anne Zohra Berrached (Alemanha, Chang Jiang Tu, de Yang Chao (China), Chi-Raq, de Spike Lee (fora e competição, EUA), Inhebbek Hedi, de Mohamed Ben Attia (Tunisia/Belgica/ França), e Soy Nero, de Rafi Pitts (Alemanha/França/México).

Também selecionados estão Alone in Berlin, de Vincent Perez (Alemanha/França/Reino Unido), Boris sans Béatrice, de Denis Côté (Canadá), Ejhdeha Vared Mishavad!, de Mani Haghighi (Irão), o documentário Fuocoammare, de Gianfranco Rosi (Itália/França), Genius, de Michael Grandage (Reino Unido/EUA), “Hele Sa Hiwagang Hapis”, de Lav Diaz (Filipinas/Singapura), Kollektivet, de Thomas Vinterberg (Dinamarca/Suécia/Holanda).

A lista de participantes completa-se com L’avenir, de Mia Hansen-Løve (França/Alemanha), Midnight Special, de Jeff Nichols (EUA), Quand on a 17 ans, de André Téchiné (França), Smrt u Sarajevu, de Danis Tanovic (França/Bósnia e Herzegovina), o documentário Zero Days, de Alex Gibney (EUA), e Zjednoczone Stany Milosc, de Tomasz Wasilewski (Polónia/Suécia).

Nesta 66.ª edição da Berlinale, a organização recorda que, quando o festival foi lançado, havia milhões de refugiados traumatizados pela segunda Guerra Mundial. Uma situação semelhante acontece hoje em dia em vários países envolvidos em conflitos. Por este motivo, a organização decidiu lançar uma campanha para promover a tolerância e a solidariedade através da exibição de filmes, recolha de donativos e outras atividades paralelas. No ano passado, Berlim acolheu 79.034 refugiados sobretudo provenientes da Síria, Afeganistão, Irão e Eritreia.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)