Wine Not?

Rua Ivens, 45, Chiado, 91 636 0626

À primeira vista é difícil dissociar o Wine Not? do restaurante New Black, que antes esteve no seu lugar: os vestígios de um passado recente não se resumem ao nome em inglês e são evidentes na decoração que sofreu poucas alterações (ainda que o recém-instalado lustre com 500 garrafas empoleiradas seja um foco de atenção). Em poucos meses o espaço ganhou um novo bilhete de identidade e disse adeus ao karaoke a acompanhar os jantares de grupo, aos jarros de sangria a sair da cozinha a um ritmo alucinante e à carta que foi fazendo as vezes dos clientes habituais.

Talvez a mudança mais drástica seja a importância que agora é dada ao vinho que veio (sobretudo) do outro lado do Tejo para encher os copos de quem anda pelo Chiado: pela primeira vez na sua história quase centenária a Casa Ermelinda Freitas associou-se a um restaurante. Quer isto dizer que a ementa à base de petiscos foi pensada de forma a que cada proposta harmonize com as cerca de 30 referências vínicas disponíveis. As sugestões ditam que os rosés mais leves acompanhem as entradas (como a trilogia de batatas ou os pimentos padrón), os monocasta Syrah ou Pinot Noir reguem os pratos mais compostos e que a aguardente de 40 anos seja degustada com sobremesas como a torta de Azeitão.

O espaço funciona ainda como uma garrafeira, motivo pelo qual tem os vinhos em exposição no meio da sala. A ideia é simples: não só facilitar a escolha da garrafa por parte do cliente que a quer consumir no restaurante, como testar a curiosidade de quem a quer levar para casa. E é a pensar no segundo perfil de cliente que os proprietários João e Rute Ribeiro (os mesmos do New Black) garantem que os vinhos para venda direta ao consumidor são mais baratos do que os que encontramos nas prateleiras dos supermercados. É comprar e beber para crer.

Vinho a copo: a partir de 1,60€

ana_marques

Mini-hambúrguer de novilho com queijo da ilha, bacon e batatas fritas (8€). Imagem retirada do Facebook oficial do Wine Not?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tabernáculo

Rua de São Paulo, 218, Cais do Sodré. 21 347 0216

O nome do espaço pode não ser dos mais sonantes, mas o mesmo não se pode dizer do nome do proprietário. O Tabernáculo é a nova aposta de Hernâni Miguel, o homem que chegou a ser apelidado o pai da noite lisboeta. O espaço tem poucos meses de existência mas já se vai fazendo notar no final da imensa escadaria que compõe a Bica. Está na Rua de São Paulo, na esquina com a Calçada da Bica Grande, e de portas abertas para amantes do soul, jazz e R&B, mas também do fado vadio. Música à parte, é dotado de uma sala decorada a jeito para fazer lembrar uma adega — e é precisamente nesse ambiente que se encontram pipas velhas no lugar de mesas de prova e paredes revestidas de garrafas de vinhos da Bacalhôa e Aliança. Não há grandes margens para dúvidas: o convite é para degustar um vinho a copo ou adquirir uma garrafa, seja para consumo imediato ou para consumo em casa. Como seria de esperar, o portefólio do Tabernáculo é vasto e contempla propostas de diferentes regiões trabalhadas pelo grupo em questão, do Alentejo à Península de Setúbal, sem esquecer Lisboa, Bairrada, Dão e Douro.

Vinho a copo: a partir de 3,50€

tabernáculo 1

Imagem retirada do Facebook oficial do Tabernáculo by Hernâni Miguel

Storik Tapas

Rua do Alecrim, 30B, Chiado. 21 604 0375 / 96 619 8117

Foi no verão do ano passado que o nome Storik descolou-se ligeiramente da flammekueche, uma parente próxima da pizza típica da Alsácia que aí é confecionada, para se colar também às tapas. O restaurante à Rua do Alecrim viu nascer, em julho último, um irmão na porta ao lado de nome Storik Tapas, onde os protagonistas da ementa são os famosos pintxos — apesar de o conceito ser basco, a cozinha baseia-se em receitas com produtos bem nacionais. É por aqui que as tabuinhas, tabuadas, tachinhos e tachos chegam à mesa na companhia de vinhos com uma única assinatura, a do produtor João Portugal Ramos, cujas propostas são capazes de representar diferentes regiões do país (Alentejo, Douro, Tejo, Beiras e Vinhos Verdes), muito embora os primeiros néctares por ele criados digam respeito às vinhas de Estremoz. E para lembrar que o vinho tem um só selo, o espaço está forrado com as iniciais JPR, tal como se pode ver nas pipas que, volta e meia, fazem as vezes de uma mesa, mas também nos restos de caixas de vinho que forram as paredes do piso de baixo.

Vinho a copo: a partir de 3.50€

storik tapas

Peixinhos da horta. Imagem retirada do Facebook oficial do Storik Tapas

By The Wine

Rua das Flores, 41-43, Chiado. 21 342 03 19

Quem tem por hábito subir ou descer a Rua das Flores, que liga o Cais do Sodré à Praça Luís de Camões, já deu de caras com esta casa — é muito difícil não fazê-lo quando as portas estão abertas, seja pela constante entrada e saída de pessoas, seja pela decoração que enche o olho. O By The Wine já leva um ano de existência mas nem por isso se verga às sempre mutáveis exigências da moda — o teto arqueado coberto por três milhares de garrafas vazias ainda surpreende e as tábuas de queijos e enchidos continuam a acompanhar os copos de vinho da produtora José Maria da Fonseca. Sentados ao balcão ou nas mesas quase sempre cheias, os enófilos pedem primeiro a carta dos vinhos (a copo ou à garrafa) que apresenta todo o portfólio da empresa e só depois a lista de petiscos, que inclui pão caseiro algarvio, ostras do Sado, ceviche de salmão e sobremesas desejavelmente servidas com os Moscatéis de Setúbal. Já a decoração do espaço, com fotografias nas paredes, pipas usadas estrategicamente colocadas, prensas e publicidades antigas, ajuda a contar a já longa história desta família de Azeitão.

Vinho a copo: a partir de 2,50€

By the wine

Imagem retirada do Facebook oficial do By The Wine