O astrofísico britânico Stephen Hawking figura entre 150 académicos que declararam, através de carta, apoio à permanência do Reino Unido na União Europeia, defendendo que a saída prejudicaria a ciência e a investigação.

“Se o Reino Unido deixar a UE e houver uma perda de liberdade de movimento dos cientistas entre o Reino Unido e a Europa, será um desastre para a ciência e universidades do Reino Unido”, argumentam os académicos na missiva enviada ao jornal The Times.

Os mais de 150 signatários são cientistas, matemáticos, engenheiros e economistas de Cambridge e também membros ou associados da prestigiada instituição britânica Royal Society.

A lista inclui nomes como o de Martin Rees, renomado astrónomo e antigo presidente da Royal Society, a física Athene Donald, e o químico Alan Fersht, que organizou a iniciativa.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, convocou para 23 de junho a realização do referendo sobre a permanência do Reino Unido no bloco dos ’28’. Sondagens de opinião mostram que a campanha pela permanência na UE granjeia ligeira vantagem, mas a margem tem-se encurtado nos últimos meses.

Na carta, os cientistas argumentam que a ciência é vital para a prosperidade a longo prazo do Reino Unido e que a adesão à UE aumentou o financiamento da ciência e permitiu ao país recrutar talentosos investigadores; e enfatizam que a livre circulação dos cientistas é tão importante para a ciência como o comércio livre para a economia de mercado.