“Ainda não é público, mas Angola vai apoiar a candidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas”, disse Marques Mendes no comentário semanal no Jornal da Noite na SIC.

António Guterres esteve na quinta-feira com o Presidente angolano José Eduardo dos Santos, que lhe terá transmitido pessoalmente o apoio, refere Marques Mendes no final dos comentários de atualidade deste domingo. O comentador classificou este apoio de muito importante especialmente pelos altos e baixos nas relações entre Portugal e Angola.

O antigo líder do Partido Social Democrata aproveitou para fazer algumas previsões sobre o que se passará no congresso do partido no primeiro fim de semana de abril. “O PSD tem sobretudo três desafios que deve tentar resolver.”

O primeiro desafio passa pela orientação estratégica, que estava mais focada numa queda do Governo e em eleições precoces, mas que tem de ser reorientada para uma estratégia a médio prazo. “O PSD viveu estes muito com a ideia que íamos ter eleições a muito curto prazo, pois é melhor tirar o cavalinho da chuva. Portugal não vai ter eleições a curto prazo.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O segundo desafio serão as eleições autárquicas. Depois dos anúncios feitos na semana passada pelo CDS, “o Porto está perdido e Lisboa pode estar também”, disse Marques Mendes. No congresso o CDS afirmou apoiar a candidatura de Rui Moreira e garantiu uma candidatura forte a Lisboa. O antigo líder do sociais-democratas apontou uma figura que pode emergir como possível candidato à Câmara Municipal de Lisboa no seio do PSD: Jorge Moreira da Silva, antigo ministro do Ambiente e “que foi de resto um ministro que saiu bem, com uma boa imagem”.

Por fim, Passos Coelho tem o desafio da renovação. “Acho que para ter sucesso no futuro tem de renovar”, disse o comentador. “E não pode ser uma meia renovação, a meias tintas, tem de ser uma renovação grande de quadros. O futuro implica caras novas, rostos diferentes, com outra energia.” Marques Mendes afirmou que outros deviam fazer como Miguel Relvas, que comunicou a saída do Conselho Nacional, para haver uma “ampla renovação”.