Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já se escreveu aqui no Observador variadíssimas vezes sobre as melhores formas de se manter um aspeto jovem, seja através do recurso à maquilhagem, evitando o stress ou até, de uma forma mais técnica, revelando o poder rejuvenescedor de certos ingredientes. E é muito provável que também já se tenha escrito sobre quanto o consumo de álcool dificulta que se atinja esse objetivo: a pele fica mais desidratada, as rugas tornam-se mais profundas e os vasos capilares dilatam.

Mas vale a pena esquecer-se tudo isto por momentos, perante a notícia surgida nas últimas horas e reproduzida por meios como a Eater, o Mashable ou o Huffington Post: acaba de ser lançado um gin que afirma combater o envelhecimento e a celulite.

É verdade. Mas antes que se ponha a dar piruetas de contentamento e a encomendar já umas quantas caixas da espirituosa, convém afirmar que se trata de uma criação da agência artístico-criativo-gastronómica Bompas & Parr para a cadeia de hotéis Warne Leisure Hotels. Consta, então, que o gin será servido nos 13 hotéis da marca, cuja localização pode consultar aqui.

Segundo os responsáveis da Warner, o gin contém colagénio, “bem como uma mistura de botânicos anti-envelhecimento para ajudar as pessoas a parecer mais novas enquanto se divertem.” Entre esses botânicos contam-se hamamélia, chá verde, urtiga ou gotu kola. Garante a Warner que a escolha dos ingredientes “deveu-se às suas propriedades revigorantes, que incluem a cura dos danos causados pela exposição solar, riqueza em minerais, a capacidade de impedir a formação de cicatrizes e a de suavizar a celulite.”

Mas será que tudo isto é mesmo possível?

Infelizmente, o mais provável é que seja apenas uma manobra de marketing. Não só o efeito do consumo oral de colagénio ainda está a ser investigado pelos dermatologistas (com progressos, segundo este estudo do Journal of Cosmetic Dermatology), como é muito provável que quaisquer efeitos positivos que daí possam advir sejam neutralizados pelo elevado teor alcoólico da bebida. Ainda assim, esta existe de facto, e está disponível para quem quiser brindar. À saúde da pele, tchim-tchim.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR