Jorge Jesus considerou esta sexta-feira legal o golo de Slimani frente ao Moreirense, criticando a nota dada ao árbitro assistente nesse encontro da I Liga de futebol e justificou a sua expulsão como exagero de poder por parte dos árbitros.

Na conferência de imprensa de antevisão ao encontro entre o Sporting e o União da Madeira, da 31.ª jornada da I Liga de futebol, o treinador do Sporting considerou uma decisão “de muita categoria” a validação do golo de Slimani em Moreira de Cónegos.

“O observador do jogo deu nota negativa ao assistente com o Moreirense, foi uma decisão de muita categoria. O auxiliar está na linha do último jogador e quando a dinâmica do jogo é desenvolvida, ele não pode estar na linha da bola. O observador tem de perceber, não há nenhum auxiliar que esteja na linha do jogador e quando a bola vai na frente esteja lá. Ele tinha de ter asas e voar, isto não é ‘playstation'”, afirmou.

O técnico, que se fez acompanhar de imagens projetadas, considerou que, se a decisão tive sido tomada num jogo da UEFA, o “auxiliar teria nota positiva”.

“Este auxiliar foi penalizado numa situação onde esteve bem, é difícil ter uma certeza absoluta. É um golo legal e parabéns ao auxiliar. Se fosse na UEFA este auxiliar tinha uma nota positiva. Parabéns pela coragem em decidir este lance. Este observador devia ir para casa”, vincou.

O treinador também se fez acompanhar de imagens para se defender da expulsão que foi alvo por parte de Bruno Paixão, considerando que os árbitros estão a “exagerar”.

“É a terceira vez que sou expulso esta época, os árbitros estão a exagerar no poder que têm, porque estão a expulsar não só o Jorge Jesus mas também os meus colegas, a maioria das vezes por tudo e por nada, a minha expulsão foi isso. O treinador também faz parte do espetáculo, deve-se olhar mais para isso e ter mais respeito (…). Os árbitros mostram autoridade nos jogos tanto para os jogadores como treinadores, não é pelo cartão, é pela qualidade”, concluiu.