Rádio Observador

Malária

No Dia Mundial da Malária, lembre-se: doença mata uma criança a cada dois minutos

O Dia Mundial da Malária é assinalado na segunda-feira. A mortalidade por malária caiu 60% desde 2000, mas as mortes ainda são frequentes. Paludismo ameaça quase metade da população mundial.

Autor
  • Agência Lusa

A mortalidade por malária caiu 60% desde 2000, mas a doença ainda mata uma criança a cada dois minutos, pelo que o Dia Mundial da Malária, na segunda-feira, visa “acabar com a malária de vez”.

O Dia Mundial da Malária assinala-se anualmente, desde 2008, a 25 de abril, com eventos em todo o mundo que visam sublinhar os avanços no controlo da malária e apelar à ação e ao investimento de forma a acelerar o progresso contra a doença.

Provocada por um parasita que é transmitido aos humanos pela picada de um mosquito, a malária, também conhecida como paludismo, ameaça hoje cerca de 3,2 mil milhões de pessoas, quase metade da população mundial.

Segundo o último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a malária, divulgado em setembro, o investimento e a aposta no combate à doença resultaram em grandes progressos nos últimos 15 anos.

Entre 2000 e 2015, a mortalidade por malária diminuiu 60% a nível global e o número de casos de malária caiu 37%, o que se estima que tenha permitido evitar um total acumulado de 1,2 mil milhões de novos casos e salvar 6,2 milhões de vidas.

Devido a estes progressos, a meta 6C do terceiro Objetivo de Desenvolvimento do Milénio, que previa “parar e inverter a incidência de malária”, foi alcançada.

No entanto, em 2015 ainda se registaram 214 milhões de casos e a doença matou 438 mil pessoas, 90% das quais na África Subsaariana e 78% das quais crianças com menos de cinco anos.

Perante este panorama, os novos objetivos, estabelecidos pelos Estados-membros da OMS em maio do ano passado ao abrigo da “Estratégia Técnica Global para a Malária 2016-2030”, são ambiciosos.

Mas também são alcançáveis, segundo a agência da ONU para a saúde.

Reduzir a taxa de novos casos em pelo menos 90%, reduzir a taxa de mortalidade em pelo menos 90% e eliminar a malária em pelo menos 35 países são algumas das metas, e para alcançá-las é preciso que o financiamento da malária triplique, atingindo os 8,7 mil milhões de dólares anuais até 2030, estima a OMS.

É por isso que o tema do Dia Mundial da Malária para este ano é “Vamos acabar com a malária de uma vez”, porque apesar dos êxitos alcançados, “um défice de financiamento anual ameaça fazer abrandar o progresso, particularmente em África, onde os países mais afetados enfrentam falhas de financiamento críticas”, pode ler-se na página worldmalariaday.org.

A malária é provocada por um parasita do género Plasmodium, que é transmitido aos seres humanos através da picada de uma fêmea do mosquito Anopheles.

Existem várias espécies, mas o Plasmodium falciparum é o mais perigoso para os humanos e o mais prevalente em África, onde se concentram 90% das mortes pela doença.

Os primeiros sintomas da malária são febre, dores de cabeça e vómitos e aparecem entre 10 e 15 dias depois da picada do mosquito, mas se não for tratada, a malária por P. falciparum pode progredir para uma fase grave e acabar por matar.

O combate à doença passa por uma diversidade de estratégias, que passam pela prevenção, através do uso de redes mosquiteiras impregnadas de inseticida e pulverização do domicílio, assim como pelo diagnóstico e tratamento dos casos confirmados com medicamentos anti-maláricos.

Ainda não existe qualquer vacina para a doença, embora recentemente a OMS tenha aprovado a realização de estudos piloto da candidata mais avançada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)