Rádio Observador

Conteúdo Microsoft

6 startups que colocam Kotler noutro nível

Philip Kotler é o autor de cabeceira de todos os empreendedores que trabalham em marketing, vendas e publicidade. Estas seis startups conseguiram tirá-lo da prateleira e fazer sucesso.

Abscent84/iStock

“O Marketing não é a arte de vender o que faz, mas saber o que fazer”, afirma o americano Philip Kotler, considerado mundialmente um dos maiores especialistas na área do marketing. Embora vá fazer 85 anos a 27 de maio, continua visionário e as expressões “marketing social” ou “demarketing” saíram da sua boca.

As seis startups que se seguem parecem ter retirado o melhor das 30 obras deste especialista. A capacidade de visão alocada ao desenvolvimento de soluções para estas áreas colocaram-nas diretamente na lista de 31 startups recentemente integradas na iniciativa Ativar Portugal Startups 2016, promovida pela Microsoft Portugal.

“O mais importante é prever para onde os clientes estão a ir”

Esta citação de Kotler parece assentar que nem uma luva à Attentive, que soube perceber o que os departamentos comerciais das empresas realmente precisavam: um software desenhado para as equipas de vendas ou CRM (gestão de relação com o cliente) que as ajuda com informação de contexto sobre os seus clientes.

Na prática, pode ser qualquer coisa como uma mensagem a avisar o gestor de um cliente específico de que este acabou de fechar um grande negócio internacional e que, portanto, vale a pena telefonar-lhe. Integrado em ferramentas bem conhecidas das vendas, como a Salesforce ou a Microsoft Dynamics CRM, este software é o assistente pessoal perfeito, sempre pronto para alertar em tempo real a equipa quando um novo produto é lançado, um diretor é substituído ou de que clube desportivo é o próximo cliente.

Preferências futebolísticas à parte, qual é o ROI (retorno do investimento) desta informação? Maior envolvimento com os clientes, mais negócios fechados. E para a Attentive? Depois de ter vencido, em 2015, o programa de aceleração da Beta-i, Lisbon Challenge, que lhes garantiu 100 mil euros da Caixa Capital, esta startup bracarense quer terminar o ano de 2016 com 400 contas fechadas. Bom balanço, portanto.

“Se criarmos uma relação de amor com o cliente, ele fará publicidade por nós”

Se é bem certa esta afirmação de Kotler, também é verdade que hoje as solicitações de atenção durante o dia são inúmeras – desde que pegamos no smartphone para ler as primeiras notícias do dia a todo um rol de atrações, desde que pomos o pé fora de casa. Esta abundância exige que as técnicas publicitárias sejam cada vez mais sofisticadas e inovadoras – em função do nosso perfil e comportamento.

A Wondeotec, uma spin off da Adclick, assume-se como um e-marketplace que coloca anúncios nativos baseados no comportamento dos consumidores nas redes na plataforma digital mais adequada. E percebeu que há um ambiente digital incontornável no nosso índice de atenção: o e-mail. Só em cerca de oito horas de um dia útil há um número tão complicado como 160 mil milhões de e-mails a circular entre mais de três mil milhões de utilizadores de Internet no mundo.

Por isso mesmo, as soluções nativas que a Wondeotec oferece exploram o canal de e-mail, quer para desktop quer para mobile, mas estão já também a estender a sua visão a outros ambientes digitais de troca de mensagens. Plataformas como o Viber, WhatsApp ou Messenger são hoje tão usadas como era o telefone fixo no apogeu dos Abba.

17457128_770x433_acf_cropped

JOSÉ COELHO/LUSA

Também focada no desenvolvimento da publicidade digital e situada na cidade invicta, encontramos a ShiftForward. Trata qualquer plataforma de publicidade online (DSPs, SSPs, Ad servers, etc.), gestores de Yield, CMSs centrados em browsers ou recomendadores de produtos de larga escala por tu e desenvolve consultoria estratégica e tecnológica especializada em arquitetura e desenvolvimento de software para a indústria de publicidade online.

O produto desta startup que já converteu meio mundo em Portugal e na Europa chama-se AdStax e ajuda os utilizadores a gerir de forma mais eficiente grandes quantidades de informação, segmentando-a e enriquecendo-a. No entanto, todos os olhares estão virados agora para a mais recente plataforma – AdForecaster – que permite prever as impressões dos anúncios de uma campanha em segundos e, assim, perceber o seu potencial.

“É mais importante adotar a estratégia correta do que perseguir o lucro imediato”

No início dos tempos modernos digitais, ter uma loja online significava possuir um bilhete VIP para o País das Maravilhas do Lucro Imediato. Mas como Philip Kotler afirma, a estratégia é tudo. De que vale ter uma montra online se ninguém lhe bate à porta? A tarefa fica ainda mais árdua quando o aventureiro não sabe sequer o que significa a palavra “e-commerce” ou como alojar um site. Aqui, a escolha do canal é tudo e a Facestore percebeu isso há exatamente um ano.

A Facestore é uma plataforma de e-commerce – comércio online para quem não sabe – muito simples e intuitiva, que permite a qualquer pessoa criar uma loja online na sua própria página de Facebook ou Pinterest, otimizada para todas as resoluções de ecrã e em apenas poucos minutos.

Desta forma, os fãs ou seguidores serão potencialmente os primeiros clientes. A plataforma está cheia de funcionalidades apelativas: descontos para os melhores fãs, ofertas especiais e múltiplos métodos de pagamentos, do Paypal ao cartão de crédito e à transferência bancária. Por outro lado, o lojista consegue gerir facilmente uma ou mais lojas num único gestor de conteúdos. Para a loja ficar o mais atrativa possível, é possível customizar os produtos e o layout. E o apoio ao cliente começa logo no site da Facestore com chat em tempo real.

Em Abril de 2016, o Facebook tinha mais de 1,5 mil milhões de utilizadores em todo o mundo; o Pinterest mais de 100 milhões. Todos potenciais fãs dos mais de 15 mil clientes desta startup do Porto.

Ainda na esfera do e-commerce, a conversa está lançada com a SPEAK, uma plataforma que junta quem quer ensinar línguas e quem quer aprendê-las. Se não sabe o que significa “Sprechen Sie Deustch?”, mas quer passar uma temporada na Alemanha, ou alguém acabou de lhe pedir indicações na rua em inglês e não percebeu nada, então é melhor começar a pensar nisto.

O caráter inovador desta startup, com escritórios em Lisboa e em Leiria, não é naturalmente o ensino das línguas, mas a forma como tudo acontece – de forma rápida, simples e extremamente enriquecedora. Qualquer pessoa se pode inscrever como alun@ Speak e frequentar um curso de línguas, constituído por 12 aulas de 90 minutos cada. Ao mesmo tempo, qualquer pessoa pode voluntariar-se para ensinar uma língua ou cultura, incluindo a do país onde reside.

Do russo ao neeerlandês, do mandarim ao italiano, trocam-se experiências de línguas, mas também de culturas, promovendo redes de suporte entre migrantes ou refugiados e locais. Os cursos são pagos, mas esta startup acredita que, mais do que o lucro, este projeto contribui para resolver o problema da exclusão social de migrantes e da sua integração nas cidades. Uma verdadeira estratégia para o mundo multicultural. Capisce?

“O pensamento do marketing está a mudar, de forma a maximizar o lucro mútuo obtido entre cada relação”

Acabamos esta viagem pelo mundo das startups dedicadas ao marketing, publicidade e e-commerce com um exemplo que engloba tudo isto: a Arbor Media Broadcast & Conference Applications. Uma das melhores formas de envolver o público-alvo é levar os conteúdos de que necessitam até si, mesmo quando se trata de conferências e outros eventos nos quais nem todos podem participar fisicamente.

A Arbor Media fornece soluções de software para gravação, webcasting e live streaming de áudio e/ou vídeo. Isto significa que câmaras municipais, salas de tribunal, parlamentos ou qualquer organização que precise de gravação áudio e vídeo ou live streaming dos seus eventos encontra nesta empresa as soluções para os seus problemas. É uma verdadeira relação win-win.

A sede da empresa fica em Doetinchem, na Holanda, mas a startup Arbor Media – Tecnologias de Informação está situada em Lisboa, onde uma equipa de developers e designers trabalha em soluções OTT, com enfoque no desenvolvimento para smartphones e tablets. Resultado desse trabalho é, por exemplo, a solução cloud-based ConnectedViews que fornece conteúdos de rádio e televisão ao vivo e acesso video-on-demand em tables, smartphones e settop boxes.

Estas seis startups perceberam que a geração Y (Anytime, Anywhere, Any Device) tem necessidades específicas deste mundo digital e souberam desenhar soluções para o marketing, publicidade e comércio à medida das suas expetativas. Temos a certeza de que Philip Kotler lhes agradece.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)